Nome do Projeto
Aspectos epidemiológicos e moleculares de Campylobacter termófilos em linha de abate de frangos no sul do Brasil
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/01/2013 - 01/01/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Microbiologia de Alimentos
Resumo
O gênero Campylobacter é composto por 23 espécies, dentre as quais C. jejuni, C. coli, C. lari e C. upsaliensis, são denominadas espécies termófilas devido a sua temperatura ótima de crescimento oscilar entre 42ºC e 43ºC. Dessas, C. jejuni e C. coli são as espécies mais frequentemente isoladas, sendo responsáveis por 95% dos casos de campilobacteriose em humanos. As aves, especialmente os frangos, são consideradas reservatórios primários de C. jejuni, sendo normalmente portadores assintomáticos. A alta incidência de C. jejuni em frangos pode ser reflexo da sua temperatura ótima de multiplicação, uma vez que o trato intestinal das aves tem uma temperatura em torno de 42°C. A campilobacteriose transmitida por alimentos é um grande problema de saúde pública no mundo inteiro, entretanto, no Brasil, sua ocorrência ainda é subestimada, devido a vários fatores, entre eles a subnotificação e a falta de diagnóstico adequado. A legislação brasileira, que determina os padrões microbiológicos para alimentos (RDC Nº 12, da ANVISA), não contempla Campylobacter spp. como critério microbiológico. Diante disso, poucos são os laboratórios brasileiros envolvidos no controle microbiológico de alimentos que possuem metodologia para a detecção de Campylobacter spp. implantada na sua rotina. Aliado a isso, poucos laboratórios clínicos do país incluem a investigação de Campylobacter spp. nos exames de rotina, havendo insuficiência de dados para estimar a real incidência dessa infecção em humanos. Estudos realizados no Brasil têm demonstrado altos índices de contaminação por Campylobacter spp. em carne de frango, bem como em lotes de frangos prontos para o abate. A presença de frangos portando Campylobacter termófilos na chegada ao abatedouro é preocupante, tendo em vista que na linha de abate existem diversas etapas que podem favorecer a disseminação da bactéria no ambiente, equipamentos e produto final. Dessa forma, os resultados deste estudo trarão importantes informações sobre o índice de contaminação por Campylobacter termófilos em frangos prontos para o abate na região sul do Estado do Rio Grande do Sul, bem como sobre a espécie prevalente e sua dispersão dentro de abatedouros de aves. É importante ressaltar que o abatedouro estudado é o único da região, portanto, recebe aves de todo o sul do Estado, o que favorece o estudo epidemiológico proposto.

Objetivo Geral

Estudar a ocorrência de Campylobacter termófilos em lotes de frangos abatidos e sua disseminação na planta de processamento em abatedouro de aves no sul do Rio Grande do Sul, identificando espécie, perfil de resistência a antimicrobianos e diversidade genética.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
2
12
12
12
12
40
ADRIANA SOUTO PEREIRA NÚNCIO1201/03/201631/07/2016
ANDREIA SALDANHA DE LIMA201/03/201431/12/2019
CRISTIANE VANIEL1201/08/201431/12/2014
CRISTIANE VANIEL501/03/201330/12/2014
CRISTIANE VANIEL1201/08/201331/07/2014
CRISTIANO TAVARES VIEIRA1201/01/201529/02/2016
MAURICEIA GREICI DE OLIVEIRA2001/03/201431/12/2016
NATALIE RAUBER KLEINÜBING503/03/201431/12/2015
ODIR ANTONIO DELLAGOSTIN101/03/201431/12/2019
SIMONE DE FÁTIMA RAUBER WÜRFEL2001/03/201331/12/2019

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 50.000,00

Página gerada em 12/12/2018 12:41:33 (consulta levou 0.085107s)