Nome do Projeto
Óleo de abacate: efeito dos processos de obtenção e da variedade no perfil de biocompostos e aplicação do óleo sob a forma de microemulsão na conservação de morangos minimamente processados
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
03/02/2015 - 03/02/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos
Resumo
O abacate é um fruto encontrado em diferentes regiões do Brasil, além disto há uma grande diversidade de variedades, cuja composição química é muito variável, entretanto, independente disto, é considerado fonte de ácidos graxos insaturados, fibras, potássio, vitamina B3 e compostos lipofílicos bioativos, como a vitamina E, carotenoides, esterois e outros, com comprovada atividade antioxidante, efeito anti-inflamatório, antitumoral e antimicrobiano. Este fruto representa uma importante matéria-prima para obtenção de óleo, entretanto a forma de extração pode influenciar na extração ou degradação dos biocompostos. O pequeno volume de óleo de abacate produzido atualmente é utilizado na sua forma bruta, pelas indústrias farmacêuticas e de cosméticos. Uma forma de diversificar a utilização do óleo de abacate é através do desenvolvimento de microemulsões. Assim, o óleo de abacate e as microemulsões podem ser uma alternativa para reduzir a deterioração fúngica de morangos minimamente processados. O morango é um fruto que apresenta elevada perecibilidade pós-colheita, principalmente, devido a sua intensa atividade metabólica e grande suscetibilidade ao ataque de agentes patogênicos causadores de podridões. A utilização de baixas temperaturas (0-4 °C) pode estender a vida útil do morango, usualmente, por até 5 dias. Entretanto, para o armazenamento prolongado, somente a redução da temperatura não é suficiente para manter a qualidade dos frutos, sendo necessário a utilização de outras técnicas. Substâncias antimicrobianas de ocorrência natural podem ser uma alternativa para inibir o crescimento microbiano em morangos. Como veículo de substâncias antimicrobianas pode-se utilizar os revestimentos comestíveis. Estes são definidos como uma fina camada de material comestível, aplicados e formados diretamente na superfície do produto. Estes revestimentos promovem a imobilização do composto ativo no polímero, o que pode manter a alta concentração do composto na superfície do alimento. Além disto, são utilizados para inibir ou reduzir a migração da umidade, oxigênio, dióxido de carbono, aromas, lipídeos, dentre outros, pois promovem a formação de barreiras semipermeáveis.

Objetivo Geral

Geral
Avaliar as características de abacates de diferentes variedades, extrair o óleo da polpa dos mesmos por meio de distintos processos, caracterizar o óleo obtido e avaliar seu potencial antioxidante e antimicrobiano, preparar microemulsões contendo este óleo e identificar sua ação como revestimento comestível de morangos minimamente processados.


Específicos
- Realizar medidas físicas tais como peso, tamanho, porcentagem de polpa, de casca e de caroço, assim como determinar a composição centesimal de amostras de abacates in natura.
- Desidratar a polpa dos abacates, por secagem controlada em diferentes processos (calor e liofilização), para posterior extração do óleo.
- Extrair o óleo por prensagem e através do uso de solvente, e caracterizá-lo a partir da determinação do índice de refração, índice de acidez, índice de iodo, índice de peróxido, índice de saponificação, viscosidade e condutividade elétrica.
- Avaliar o perfil de ácidos graxos, a capacidade antioxidante e o teor de compostos fenólicos totais do óleo, comparando a influência da variedade e dos diferentes processos de secagem da polpa e extração do óleo.
- Analisar os óleos obtidos por meio de técnicas cromatográficas e voltamétricas, visando à identificação dos componentes hidroxiaromáticos, como tocoferóis, tocotrienóis e ácidos ferúlicos, além de fitoesteróis como beta-sitosterol, campesterol e stigmasterol, entre outros compostos bioativos.
- Quantificar os referidos compostos identificados no óleo e avaliar comparativamente as amostras, a fim de identificar a influência da variedade e diferentes processos executados na concentração destes compostos.
- Preparar microemulsões contendo óleo de abacate e componentes biocompatíveis.
- Caracterizar as microemulsões produzidas e avaliar suas estabilidades.
- Aplicar o óleo de abacate, obtido de diferentes formas, no revestimento de morangos minimamente processados, a fim de avaliar o potencial antimicrobiano do óleo, tanto na forma de microemulsão quanto na forma pura, visando estender a vida útil dos morangos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDRESSA LESSA KRINGEL202/06/201603/02/2018
ANDRÉIA MASKE403/02/201531/01/2016
ANGÉLICA MASKE403/02/201531/01/2016
ANGÉLICA MASKE1201/08/201531/01/2016
CARLA ROSANE BARBOZA MENDONCA303/02/201503/02/2018
EDUARDA CAETANO PEIXOTO202/06/201603/02/2018
FERNANDA DÖRING KRUMREICH203/02/201503/02/2018
JANAÍNA DA SILVEIRA SCHAUN403/02/201531/01/2016
LAURA DOS SANTOS CENTENO202/06/201603/02/2018
PAOLA VALENTE RODRIGUES202/06/201603/02/2018
PAOLA VALENTE RODRIGUES1201/06/201731/07/2017
RUI CARLOS ZAMBIAZI103/02/201503/02/2018
SIDÉLEN STRELOW ALVES403/02/201531/01/2016
TALISSON DA SILVA DORNELES1201/02/201631/05/2017

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 25.133,00

Página gerada em 08/12/2019 03:52:20 (consulta levou 0.071147s)