Nome do Projeto
Projeto de Lugares com Pessoas Idosas: Rumo a Comunidades Amigáveis ao Envelhecimento das Pessoas
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/05/2016 - 01/05/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Planejamento e Projeto do Espaço Urbano
Resumo
Populações de idosos no Reino Unido e Brasil têm gerado novos desafios em como melhor projetar ambientes urbanos que ofereçam suporte e promovam o engajamento social cotidiano e uma vida urbana saudável para as pessoas mais velhas. À medida que envelhecem, as pessoas sofrem um declínio das suas capacidades físicas e cognitivas, alterações em suas condições de vida e perda de apoios sociais. Em resposta a isso, a questão de permanecer vivendo na comunidade com certo nível de independência na medida em que a pessoa envelhece, tem se tornado importante na redefinição de políticas para as pessoas mais velhas (Andrews e Phillips, 2005). A agenda acerca do envelhecimento na comunidade postula que esta é o ambiente preferido para os idosos permanecerem, onde eles podem permanecer ativos, engajados, socialmente conectados, e independentes (Wiles et al, 2011). No entanto, envelhecer com sucesso na comunidade depende dos adultos mais velhos terem suporte local para a participação social, mobilidade e uma vida ativa (Sixsmith et al, 2014). Entretanto, ambientes urbanos na sua concepção atual, muitas vezes, desencorajam o envelhecimento ativo, colocando os idosos em risco de isolamento e solidão (Buffel e Phillipson, 2012; ILC, 2013). Cidades contemporâneas podem ser ?pouco amigáveis? e 'hostis' para os idosos, agindo como uma barreira ao acesso a oportunidades sociais, econômicas e cívicas (Scharf et al, 2005). Ao abordar esta questão, a política e a prática internacional tem-se centrado na criação de cidades e comunidades amigáveis aos idosos, como ambientes para incentivar o envelhecimento ativo (Davies e Kelly, 2014). Trabalhando na direção destes ambientes, guias com melhores práticas foram desenvolvidos para apoiar mobilidade a pé e o projeto de espaços abertos inclusivos (HAPPI, 2012; IDGO, 2012). Esta pesquisa reconhece que simplesmente mudando a forma construída não é suficiente para criar um ambiente mais inclusivo para o envelhecimento, uma vez que os lugares são mais do que espaços físicos. Ambientes viáveis são articulados através de um forte sentido de lugar, definido como os laços sociais, psicológicas e emocionais que as pessoas têm com seu ambiente (Manzo e Perkins, 2006). Um forte sentido de lugar resulta de se ter apoio para uma participação ativa, acesso a oportunidades para construir e manter redes sociais, e assumir um papel que faça sentido na comunidade (Seamon, 2014).

Objetivo Geral

Este projeto tem três objetivos gerais principais: (i) investigar como os lugares com significados são vivenciados por pessoas idosas de diferentes contextos sociais que vivem em diversos bairros no Brasil e no Reino Unido; (ii) traduzir essas experiências em projetos para comunidades amigáveis a idosos que dão suporte ao sentido de lugar; e (iii) para articular melhor o papel dos adultos mais velhos como ativos realizadores de lugares no processo de projeto através do envolvimento da comunidade em todas as fases da pesquisa. Com relação a estes objetivos gerais, o projeto tem os seguintes objetivos específicos interligados: Objetivo 1: estabelecer e comparar como idosos de diferentes classes sociais e contextos urbanos e culturais constroem o sentido de lugar com foco na identificação de oportunidades, desafios, facilitadores e barreiras à participação social, independência e na presença ativa e engajada na comunidade através do conhecimento de rotinas diárias, mobilidade à pé em transporte, e acesso e utilização de espaços e equipamentos comunitários. Objetivo 2: traduzir os dados obtidos a partir do objetivo 1 em mapas e desenhos com lugares com significado para a comunidade a fim de fornecer uma representação visual qualificada de como a comunidade avalia, compreende e interage com o lugar, e identificar as características significativas dentro do ambiente que incorporam o lugar. Este objetivo será atingido através de oficinas de mapeamento participativo realizadas com a comunidade para facilitar a produção de conhecimento a partir das bases. Objetivo 3: traduzir os resultados dos objetivos 1 e 2 em diretrizes para o projeto de lugares com significado para idosos, refletindo as necessidades dos usuários de diferentes classes sociais e contextos urbanos e culturais, que podem acomodar tanto a necessidade de independência e mobilidade quanto incentivando simultaneamente a participação social e o engajamento da comunidade. As diretrizes são orientadas para a identificação de princípios de desenho e planejamento urbano para os profissionais da área, para aqueles envolvidos com revitalização urbana e formuladores de políticas, para orientar o desenvolvimento de cidades e comunidades amigáveis aos idosos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINA COSTA MACHADO201/05/201630/07/2018
CELINA MARIA BRITTO CORREA401/05/201601/05/2019
CIBELE BORGES PERES1201/08/201831/07/2019
EDUARDO ROCHA801/05/201601/05/2019
GISELE SILVA PEREIRA401/05/201601/05/2019
GREYCI BACKES BOLZAN1201/08/201728/02/2018
LAURA LOPES CEZAR401/05/201601/05/2019
LIGIA MARIA AVILA CHIARELLI401/05/201601/05/2019
LUCAS DIAS PREZOTTO1201/08/201731/07/2018
LÍVIA WINKEL FERNANDES201/05/201630/07/2018
MÔNICA MARIANI COSTA LOPES1201/03/201831/07/2018
NATALIA NAOUMOVA401/05/201601/05/2019
THAÍS DEBLI LIBARDONI201/05/201630/07/2018

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
Economic and Social Research CouncilR$ 4.085.122,63

Página gerada em 13/11/2019 20:41:07 (consulta levou 0.080176s)