Nome do Projeto
Boca Boca Saudável
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
14/03/2017 - 31/12/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Saúde
Linha de Extensão
Saúde da família
Resumo
O projeto 'Boca boca saudável' vem sendo realizado em Pelotas, RS, desde 2015, em parceira com a secretaria municipal de saúde do município. O projeto visa a implementação de ações com foco na promoção da saúde de crianças de zero a cinco anos de idade cadastradas em Unidades Básicas de Saúde. O projeto estimula a articulação entre ensino-serviço­-comunidade ao proporcionar experiência acadêmica crítica e reflexiva e, a interdisciplinaridade aos incorporar acadêmicos de diferentes cursos. Traz benefícios diretos para a população com redução de desigualdades em saúde ao efetivar ações de promoção da saúde voltadas para crianças. As ações do projeto incluem a produção de materiais educativos (ex.: audiovisuais, manual didático de práticas educativas em saúde), visitas domiciliares com foco educativo, atendimento clínico em Unidades Básicas de Saúde, realização de atividades educativo-preventivas coletivas.  Todas as informações do projeto são registradas em planilhas eletrônicas e os dados são analisados sistematicamente de forma a garantir o monitoramento das atividades e avaliação dos resultados.

Objetivo Geral

Promover a saúde de crianças de zero a cinco anos de idade cadastradas em Unidades Básicas de Saúde, na cidade de Pelotas, RS.

Justificativa

O projeto 'Boca boca saudável' foi concebido em Pelotas (UFPel), como parte da tese de doutorado da coordenadora (Cascaes 2014a). A investigação das necessidades educativas das famílias com crianças de zero a cinco anos de idade foi obtida por meio de abordagem de pesquisa multimétodos durante os anos de 2009 a 2013. Combinou resultados de revisões sistemáticas, levantamento epidemiológico local, entrevistas etnográficas e grupos focais. As revisões sistemáticas identificaram os principais fatores de risco modificáveis para doenças bucais na infância e as evidências de intervenções educativas e de promoção da saúde. Dados epidemiológicos revelaram a magnitude dos problemas bucais e dos comportamentos em saúde das crianças e suas famílias. As entrevistas etnográficas com famílias do público-alvo destacaram os significados atribuídos à saúde geral e bucal, concepções sobre dentição decídua (dentes de leite), as concepções populares, motivações e barreiras para os cuidados com a saúde geral e bucal. Os grupos focais com profissionais de saúde, agentes comunitárias e famílias do público-alvo forneceram ideias dos desafios e oportunidades para atingir a comunidade e opiniões nos aspectos logísticos do programa e de alguns materiais educativos, com o intuito de aumentar a aceitabilidade e viabilidade da intervnçãoç
O conjunto de dados apontou os problemas do município de Pelotas, revelando que os comportamentos de saúde bucal devem ser compreendidos dentro de um contexto maior de concepções e percepções sobre saúde, as quais precisam ser articuladas a um conjunto de ações de educação em saúde, com foco em aspectos cognitivos, socioculturais e de organização dos serviços de saúde. O resultado da ausência de ações preventivas e educativas voltadas para crianças na primeira infância é que as doenças bucais, embora altamente preveníveis, continuam com uma prevalência alta na população, em especial nas crianças menores de cinco anos de idade provenientes de famílias de menor renda. O projeto prevê o uso de diferentes ações e estratégias de promoção da saúde, integradas ao contexto do Sistema Único de Saúde para alcance da melhoria das condições de saúde geral e bucal e da qualidade de vida de crianças e suas respectivas famílias (Cascaes 2013). Propõe-se um programa com ações integradas aos serviços de atenção primária do Sistema Único de Saúde (SUS) buscando otimizar a utilização de recursos físicos e humanos já existentes e contribuindo com o fortalecimento e qualificação da atenção básica no SUS, com vistas à formação de futuros profissionais e à sustentabilidade das ações.

Metodologia

As ações de extensão previstas nesse projeto possuem caráter multidisciplinar e interdisciplinar, integradas a atividades de ensino e pesquisa. As ações convergem para o foco central que é a promoção da saúde de crianças de zero a cinco anos de idade. Reuniões com gestores da secretaria municipal de saúde foram realizadas, momento em que as UBS participantes foram definidas. Os profissionais de saúde das UBS foram informados e convidados a participar, apoiando as ações a serem implementadas.  Após treinamento, os extensionistas do projeto são alocados nos cenários de prática, de forma a fomentar e apoiar a implementação das ações, participando ativamente do processo. Acadêmicos de odontologia e nutrição auxiliam na execução das ações, acompanhados por docentes e profissionais de saúde. Os estagiários dos cursos de odontologia e nutrição que atuam nas UBS são envolvidos nos atendimentos clínicos das crianças do público-alvo do projeto. Como ações previstas estão: realização de visitas domiciliares para diálogo com as famílias das crianças sobre os cuidados com a saúde bucal e alimentação na primeira infância; realização de ações educativas coletivas nas UBS; ações de rastreamento de risco e atendimento clínico de crianças; realização de uma campanha na comunidade sobre importância da saúde bucal na primeira infância; reuniões mensais com as equipes de saúde para monitoramento e avaliação do processo de implementação das ações. Os materiais educativos serão avaliados durante a implementação das ações. Dados sobre implementação das ações serão registrados em fichas de acompanhamento, além de fichas de produção ambulatorial diariamente preenchidas por profissionais de saúde. 

Indicadores, Metas e Resultados

A avaliação da evolução dos indicadores de processo e impacto será realizada mensalmente, englobando alguns indicadores, como exemplo, o número de famílias com crianças cadastradas nas UBS, número de famílias com crianças que receberam as ações educativas, número de materiais educativos impressos entregues ao público­-alvo, número de crianças do público­-alvo que compareceram na campanha, número de crianças que receberam exames de rastreamento bucal e nutricional, número de crianças com primeira consulta odontológica programática, número de crianças com tratamento odontológico concluído, adesão e satisfação do público, avaliação de conhecimentos, atitudes e hábitos de saúde das famílias.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALEXANDRE EMIDIO RIBEIRO SILVA1
ANA LÚCIA FERREIRA SILVEIRA
ANDREIA MORALES CASCAES8
ANDRESSA CEZIMBRA REICHOW
ANDRÉ LINDEMANN DUTRA
ARYANE MARQUES MENEGAZ
CIBELLE TAVARES DIAS LIMA
HELENA HAR DA SILVA MACHADO
JOSIAS PEREIRA DA SILVA1
JULIANA DOS SANTOS VAZ
JÉFERSON CORRÊA GOMES
JÚLIA SOMMER CANABARRO
LARISSA MOREIRA PINTO
LAURA SANTOS GULARTE
LUCIANA DOS SANTOS LIMA
LUDMILA CORREA MUNIZ1
Luciana de Avila Quevedo
MANOELA TEIXEIRA DA SILVA
MARIA EDUARDA MONTEIRO DA CUNHA DE SOUZA
MARIANA SILVEIRA ECHEVERRIA
MATEUS ANDRADE ROCHA
MAURÍCIO SANTOS DE SOUZA
MAYANA PERES FURTADO
NATHALIA RIBEIRO JORGE DA SILVA
NATÁLIA FENELON JODAS
NATÁLIA SILVEIRA CABREIRA
PAULA GOVEIA CORREA
RAFAELA DO CARMO BORGES
RAFAELLA RODRIGUÊS DA GAMA
RAQUEL PEDROSO MELLO
RICELI RODEGHIERO OLIVEIRA
SUSANA KRÖLOW EHLERT
TAMARA RIPPLINGER
THIERRY DE SOUZA BERNY
VITÓRIA TUNES MADRUGA

Página gerada em 10/12/2019 14:30:55 (consulta levou 0.106330s)