Nome do Projeto
Avaliação do Impacto da pandemia de COVID-19 na saúde mental dos trabalhadores da Enfermagem na rede de serviços de saúde de Pelotas
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/06/2020 - 15/12/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
O presente estudo tem por objetivo geral : estimar a prevalência e os fatores determinantes de sintomas de depressão maior em profissionais de enfermagem (enfermeiros, técnicos de enfermagem, e auxiliares de enfermagem) associada ao período que trabalharam/trabalha na linha de frente da rede de atenção à saúde durante o período de pandemia do Covid-19 no município de Pelotas-RS e compreender os determinantes e as estratégias de enfrentamento que contribuem para exposição e/ou proteção da saúde mental dos trabalhadores de enfermagem durante o surto COVID-19. Trata-se de um estudo com abordagem mista, utilizando abordagem quantitativa e qualitativa. Será realizado um estudo transversal com 400 profissionais de enfermagem que trabalharam ou trabalham na linha de frente na atenção a pandemia do Covid-19. E no qualitativo será realizada uma avaliação de impacto com painéis de especialistas, num total de 33 profissionais e gestores. A coleta de dados quantitativa e qualitativa terá duração de seis meses. Serão realizadas análises estatísticas e análise de conteúdo. Todos os preceitos éticos serão respeitados. Espera-se que ao final do estudo possamos desenvolver análises que possam contribuir para a qualificação do processo de trabalho, do uso adequado de equipamentos de proteção individual, de melhorias no ambiente de trabalho e da própria qualidade de vida, uma vez que poderemos estar orientando estratégias de cuidado desde o campo pessoal até o campo profissional.

Objetivo Geral

• Estimar a prevalência e os fatores determinantes de sintomas de depressão maior em profissionais de enfermagem (enfermeiros, técnicos de enfermagem, e auxiliares de enfermagem) associada ao período que trabalharam/trabalha na linha de frente da rede de atenção à saúde durante o período de pandemia do Covid-19 no município de Pelotas-RS.

Justificativa

Estamos nos defrontando com uma realidade bastante nova em nosso contexto, com a pandemia da COVID-19. A nova pneumonia por coronavírus começou em Wuhan na China em dezembro de 2019 e se espalhou rapidamente pelo mundo em início de 2020 (1).
A experiência da China sugere que como ainda não temos dados sobre problemas de saúde mental decorrentes da epidemia da COVID-19 e de como responder a eles, uma opção consiste em partir do impacto sobre a saúde mental e as medidas tomadas durante o surto de SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome) em 2003. Sabe-se que pacientes com confirmação ou suspeita da COVID-19 podem sentir medo das consequências da infecção por um vírus potencialmente fatal e os que estão em quarentena podem sentir tédio, solidão e raiva. Sintomas como febre, hipóxia e tosse, e efeitos adversos do tratamento, como insônia causada por corticosteróides, podem agravar sintomas de ansiedade e sofrimento mental. Os autores destacam que na fase inicial do surto de SARS, algumas morbidades e sintomas como quadros de depressão persistente e ansiedade, em algumas situações ataques de pânico, excitação psicomotora, sintomas psicóticos, delírios e até suicídio foram relatados. Estes quadros comuns em saúde mental são bastante encontrados em profissionais da saúde que estão na linha de frente de enfrentamento da epidemia, que além de não terem preparo para lidar com estes problemas nos pacientes, também podem sentir medo do contágio e de serem fonte de disseminação do vírus em suas famílias e para seus amigos ou colegas. Algumas estratégias de cuidado em saúde mental utilizadas no surto de SARS podem ser úteis para a resposta a COVID-19, entre elas a intervenção de equipes multidisciplinares (incluindo psiquiatras, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais de saúde mental) para prestar apoio à saúde mental aos pacientes e trabalhadores da saúde; disponibilidade de tratamentos psiquiátricos especializados, serviços e instalações de saúde mental apropriados. Em segundo lugar, uma comunicação clara e atualizada sobre a COVID-19 deve ser fornecida a profissionais de saúde e pacientes, contribuindo para a abordagem do senso de incerteza e medo, além de informações atualizadas sobre o tratamento e evolução da situação de saúde dos pacientes deve ser dada aos pacientes e suas famílias. Terceiro, serviços seguros devem ser criados para fornecer aconselhamento usando dispositivos e aplicativos eletrônicos para pacientes contaminados e suas famílias, bem como aos profissionais de saúde que devem ser avaliados regularmente em relação a sintomas de depressão, ansiedade, e risco de suicídio (2).
Desta forma, definiu-se a Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) como estratégia para compreender o impacto da pandemia de COVID-19 na saúde mental dos trabalhadores de enfermagem que atuam diretamente no cuidado à população acometida.
Com base no exposto, partimos da seguinte questão norteadora: Qual o impacto da pandemia de COVID-19 na saúde mental dos trabalhadores de enfermagem na cidade de Pelotas – RS?

Metodologia

Trata-se de um estudo avaliativo de abordagens quantitativa e qualitativa que tem o intuito de avaliar o impacto da pandemia de COVID – 19 na saúde mental dos trabalhadores da Enfermagem na cidade de Pelotas- RS.
Delineamento do estudo quantitativo
Será realizado um estudo transversal com os (as) profissionais de enfermagem que trabalharam/trabalham na rede de atenção a saúde de Pelotas, durante o período da pandemia Covid 19.
Serão entrevistados 400 profissionais de enfermagem considerando que seja o número médio aproximado de Pelotas que possa estar envolvida com os serviços previstos para enfrentamento do Covid-19.
Iremos trabalhar com um questionário de caracterização sócio-demográfica e econômica e com três instrumentos validados no Brasil, sendo eles:
• Questionário saúde do paciente para verificar sintomas de depressão maior (Patient Health Questionnaire - PHQ-9).
• Teste para Identificação de problemas relacionados ao uso de álcool e substâncias (Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test - ASSIST/OMS).
• Questionário para determinação dos sintomas físicos e psicoemocionais (Self-Reporting Questionnaire - SRQ-20).
A primeira estratégia a coleta de dados será realizada por via e-mail em formulário “GoogleForm”, caso não consigamos coletar a totalidade dos participantes, então daremos sequencia a coleta de dados via ligação telefônica.
Etapa qualitativa
A etapa qualitativa se constituirá no desenvolvimento das etapas da Avaliação de Impacto em Saúde .
Participantes do Estudo Qualitativo
Serão participantes do estudo qualitativo representantes das Enfermeiras (os), técnicas (os) de enfermagem e gestores/coordenadores de enfermagem que trabalharam/trabalham nos 11 serviços da rede de atenção à saúde de Pelotas direcionados para o atendimento da pandemia COVID - 19. A proposta se baseia em pelo menos um representante de cada categoria da enfermagem representando um grupo de serviços para que se garanta uma maior diversidade de vozes dentro da categoria enfermagem e uma representação de cada categoria de serviços, totalizando: um grupo com 11 enfermeiros, um grupo com 11 técnicos e/ou auxiliares e um grupo com 11 coordenadores de enfermagem.
Os dados provenientes das discussões realizadas nos Painéis de Especialistas serão analisados para se compreender até que ponto e de qual forma as recomendações requeridas na primeira rodada de painéis, e implementadas nos cenários de trabalho, impactaram positivamente na saúde mental dos trabalhadores de enfermagem.
Tais recomendações servirão para subsidiar elementos importantes na seleção e produção de protocolos, proporcionando elementos fundamentais que darão as fundamentações e as justificativas para a utilização dos mesmos em situações de emergência humanitária semelhantes no contexto da enfermagem.

Indicadores, Metas e Resultados

Esperamos com esse estudo contribuir com o conhecimento científico acerca do cuidado a saúde psicossocial de profissionais de enfermagem expostos a situações de epidemia e pandemia, favorecendo a discussão a respeito da sua qualidade de vida.
E para isso contamos com uma equipe de pesquisadores qualificados que poderão analisar os dados quantitativos e qualitativos e que, a partir destas leituras e interpretações, possam contribuir com a construção de estratégias de enfrentamento que possibilitem benefícios de autocuidado, de capacidade de cuidado do outro, seja ele membro de sua equipe ou usuário do sistema de saúde e de cuidado e atenção com a oferta de serviço da rede de atenção à saúde.
Os profissionais da enfermagem na atualidade representam mais que cinquenta por cento do número de profissionais do Sistema Único de Saúde e podemos inferir que estes profissionais tendem a ser o pilar que sustenta o próprio SUS, e que por isso devem ser também olhados, cuidados e protegidos de desdobramentos desfavoráveis em sua vida pessoal e profissional.
Esse estudo é essencial para que possamos entender a situação de adoecimento de profissionais de enfermagem diante de uma pandemia, que possamos com os dados encontrados aprofundar discussões na área a respeito do processo de trabalho, da valorização profissional, da carga horaria de trabalho realizado, da remuneração, da inexistência de um piso salarial, da falta de politicas públicas que beneficiem famílias de profissionais de saúde caso venham a falecer, enfim conhecer medos, e passar a olhar para estes profissionais com o devido respeito que merecem, e sempre mereceram e merecerão, independe de surgimento de pandemias, considerando inclusive a importância destes profissionais para o cuidado a saúde em Pelotas, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil e no mundo.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AGNES ALMEIDA DA COSTA
ARIANE DA CRUZ GUEDES12
BIANCA ALBUQUERQUE GONÇALVES
CARLOS ALBERTO DOS SANTOS TREICHEL
DENYAN ALVES SILVEIRA
GUSTAVO PACHON CAVADA
JANAINA QUINZEN WILLRICH12
LARISSA SILVA DE BORBA
LILIAN CRUZ SOUTO DE OLIVEIRA SPERB
LUCIANE PRADO KANTORSKI4
MARTA SOLANGE STREICHER JANELLI DA SILVA8
MICHELE MANDAGARA DE OLIVEIRA4
MILENA HOHMANN ANTONACCI12
POLIANA FARIAS ALVES24
SILVANA FONSECA TIMM
VALERIA CRISTINA CHRISTELLO COIMBRA12

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
FAPERGS / Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado Rio Grande do SulR$ 90.000,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
Material de expedienteR$ 1.250,00
BolsasR$ 48.000,00
Outros serviçosR$ 28.950,00
Produtos HospitalaresR$ 3.600,00
Equipamentos e material permanente (móveis, máquinas, livros, aparelhos etc.)R$ 8.200,00

Página gerada em 30/11/2020 21:19:09 (consulta levou 0.155643s)