Nome do Projeto
Avaliação da resistência de união de soldas ortodônticas heterógenas submetidas a diferentes preparos prévios das superfícies
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/08/2021 - 30/08/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A união heterógena entre metais com finalidade ortodôntica com emprego de solda a base de prata é um procedimento historicamente muito utilizado por ortodontistas. Este tipo de solda muitas vezes pode vir a receber esforços mecânicos significativos, sobretudo em alguns tipos de aparelhos ortodônticos destinados ao tratamento de más oclusões com alta exigência de força mecânica. Nesse contexto, falhas ou insuficiências nas zonas de união dos aparelhos ortodônticos, especialmente durante seu uso clínico, podem trazer problemas clínicos importantes. O objetivo deste trabalho é avaliar o impacto de diferentes técnicas de preparações das superfícies metálicas destinadas à união com uso do recurso de soldagem à prata. Será usada solda comercial a base de prata e fluxo (Dental Morelli) para confecção de trinta corpos-de-prova usando fios de liga de aço inoxidável encurvados na espessura 1.2mm (Dental Morelli), distribuídos em três grupos (n=10). Dois grupos de fios que receberão tratamentos de limpeza superficial, um com o emprego de microjateamento e outro polimento mecânico à base de borrachas abrasivas, vindo a constituir os grupos tratados (S1 e S2), e o grupo composto por fios sem qualquer tratamento prévios nas superfície serviram de grupo controle (S3). As diferenças entre os valores obtidos para as variáveis serão analisadas através do teste de ANOVA de medidas repetidas (p<0.05).

Objetivo Geral

O objetivo deste trabalho é avaliar o impacto do preparo de superfícies na resistência de uniões de fios ortodônticos de liga de aço inoxidável executadas com soldas à base de prata.

Justificativa

A técnica de soldagem é universalmente aceita por apresentar resultados clinicamente satisfatórios, em alguns casos seu emprego pode ser considerado insubstituível. A técnica de soldagem heterógena de metais em Ortodontia pode ser vista como um procedimento “operador dependente”, já que a realização deste tipo solda, para ser bem sucedida requer a aquisição de habilidades consistentes e treinamento prévio que envolve uma sequência complexa de procedimentos. O comportamento dos componentes que integram o procedimento de soldagem em ortodontia como um todo, incluindo possíveis alterações atômicas, mecânicas e físicas dos metais a serem unidos, podem vir a ter impacto decisivo quanto ao risco de falhas das uniões resultantes. Apesar de ser uma técnica amplamente usada desde os primórdios da Ortodontia, a avaliação do impacto de eventuais alterações significativas nas características físico-estruturais dos elementos a serem soldados pode representar um aspecto relevante em relação à execução de soldagem em ortodontia. Historicamente as abordagens na literatura sobre o processo de soldagem em Ortodontia em grande parte descrevem o processo sob um enfoque empírico, sendo relativamente poucos os trabalhos científicos sobre o tema, havendo portanto muitas questões relativas aos diversos aspectos que fazem parte da técnica de soldagem, os quais permanecem não esclarecidos.

Metodologia

Esse experimento será constituído pela composição de três grupos experimentais (n=10), sendo dois grupos os quais incluirão o procedimento para limpeza prévias das superfícies a serem soldadas, um com microjateamento com óxido de alumínio(S1) e outro com pontas de borracha abrasiva (S2) respectivamente, e por fim, um grupo (S3) usando fios ortodônticos conforme recebidos do fabricante, o qual irá servir de grupo controle. Serão portanto confeccionados 30 corpos de prova, para isso sessenta segmentos de fios ortodônticos de liga de aço inox retos, de seção redonda de Ø1,20mm (.047") com 50mm de comprimento, serão dobrados em formato de “U” de maneira padronizada, com a finalidade de serem unidos dois a dois, tendo como pontos de união os respectivos ápices das porções encurvadas. Os 20 segmentos de fios ortodônticos destinados a constituir o grupo S1, após dobrados receberão microjateamento com óxido de alumínio 60μ nas regiões curvas. Os 20 segmentos de fios ortodônticos destinados a constituir o grupo S2, receberão limpeza realizada com pontas de abrasividade compostas por três granulações em ordem decrescente (50μ, 25μ e 20μ, respectivamente) na superfície da região de soldagem. Os vinte segmentos de fios ortodônticos destinados a constituir grupo controle (S3) serão usados sem o emprego de qualquer tipo de limpeza, ou seja com suas superfícies isentas de qualquer tratamento, salvo o procedimento de dobra padronizada para constituir o formato em “U” antes da soldagem. Cada par de fios ortodônticos dobrados serão alinhados em um suporte apropriado para padronizar o posicionamento das regiões a serem unidas, e em seguida unidos em suas porções encurvadas através da técnica convencional de soldagem ortodôntica à prata. Cada par de fios soldados será alinhado a duas arruelas metálicas posicionadas em cada uma das extremidades opostas a região soldada, com suas posições orientadas seguindo o longo eixo dos fios e tendo o ponto central da soldagem como orientação para o alinhamento, e em seguida serão fixadas, em cada respectiva extremidade com blocos formados por resina acrílica. Os corpos de prova serão então encaminhados para a realização de ensaios de resistência máxima à tração em uma máquina de ensaios universal (EMIC). Os resultados serão analisados através do teste de ANOVA de medidas repetidas (p<0.05).

Indicadores, Metas e Resultados

Responder a pergunta: A preparação prévia de superfícies metálicas pode contribuir para a melhoria da resistência de união em soldagens ortodônticas à base de prata?

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CATIARA TERRA DA COSTA2
DOUVER MICHELON2
GREICE REIS
MARCOS ANTONIO PACCE2

Página gerada em 16/10/2021 11:53:52 (consulta levou 0.100221s)