Nome do Projeto
Patologias sociais: o diagnóstico de nosso tempo e as alternativas a partir da racionalidade éticocomunicativa
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/06/2022 - 31/12/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O projeto faz parte do CAPES/Print da Universidade Federal de Pelotas. A criação do Observatório Global de Patologias Sociais representa, sem dúvidas, uma inovação, ao tempo que congrega pesquisadores de áreas diversas (dentro e fora da Universidade Federal de Pelotas, quer seja em nível nacional e, principalmente, internacional). O desafio, então, volta-se para a pesquisa concernente ao diagnóstico social através da contribuição de grupos de pesquisa de diferentes áreas, não apenas em relação à justificação do que sejam as patologias sociais, mas também no diagnóstico sobre a percepção das pessoas em relação ao 'sofrimento" e "dor" social, em vistas à elaboração e implementação de políticas voltadas à qualidade de vida da população. O desenvolvimento ocorre através de reuniões da equipe, Seminários para pós-graduação e, ainda, na elaboração - e posterior aplicação - de um questionário sobre a percepção social das patologias sociais. Sem dúvidas, a pandemia prejudicou o andamento. Mas a intenção agora é aplicar esse questionário. Por isso, não se trata apenas de visualizar ou detectar as denominadas patologias sociais, mas – e a partir disso – agir em vistas a implementar as políticas públicas e sociais voltadas ao conviver saudável. No seu aspecto teórico, o Observatório se insere na fundamental moral “relacionada a equidade ao longo do ciclo vital”. Ele integra os cursos de pós-graduação em Educação e Odontologia. Neste contexto, a criação deste projeto específico visa estabelecer uma visão multidisciplinar sobre as patologias sociais e saúde. Por isso, o projeto Observatório Global de Patologias Sociais não deseja apenas ater-se ao diagnóstico de nosso tempo, mas salientar também as alternativas. Nesse sentido, uma das referências fundamentais é a Agenda 2030 e alguns dos “17 objetivos para transformar o mundo”. Na descrição inicial do projeto, destaca-se que os déficits sociais indicam disparidades no acesso à saúde, uma questão de justiça e de solidariedade social. A constatação inicial evidencia a percepção ou sintoma de in-solidariedade, reforçando patologias sociais que se perpetuam e afetam não apenas os indivíduos ou grupos específicos, mas a sociedade como tal. A noção de patologia social remete a teoria crítica da sociedade, colocando em evidencia a precariedade de grupos, indivíduos e cidadãos infra-valorizados e em situações sub-humanas. No aspecto gramatical, os termos diagnóstico e patologia, embora com origem na medicina, se vinculam a comportamentos sociais que impedem uma convivência saudável. A manifestação anormal diz respeito à noção clínica de saúde que trata da capacidade de funcionamento do corpo. A consideração patológica condiz ao desenvolvimento orgânico deficiente, cujas manifestações ocorrem, muitas vezes, através de linguagens e atitudes altamente tóxicas e intoxicantes. Os estados psíquicos e físicos têm relação com os valores de normalidade em um horizonte social, quando os indivíduos percebem os transtornos de sentido. O procedimento metodológico considera duas linhas: por um lado a fundamentação teórica, seja através de reuniões de estudo, Seminário para pós-graduação ou eventos de extensão; por outro, um questionário para pesquisa empírico com o fim de medir a percepção das pessoas em torno às patologias sociais.

Objetivo Geral

Levar a efeito os objetivos do Observatório Global de Patologias Sociais, tal como foi delineado no projeto institucional, com o fim de implementar e consolidar suas metas de forma a alcançar seus propósitos. Este objetivo primordial vem acompanhado dos objetivos específicos, tais como:
- consolidar os atuais consórcios de pesquisa em rede nacional e internacional, para geração de evidências com estudos clínicos, síntese do conhecimento e formação de observatórios globais nas diferentes áreas envolvidas;
- criar outros vínculos internacionais, através de missões de trabalho, participação em eventos, publicações em conjunto, abrindo, assim, novas frentes ligadas ao tema;
- continuar com as reuniões multidisciplinares, para discussões sobre patologias sociais, suas origens e desdobramentos para ciências sociais e ciências da saúde com o intuito de discutir os impactos e propor políticas sociais que previnam e, ao mesmo tempo, superem os déficits causados pelas atuais patologias sociais;
- desenhar atitudes institucionais voltadas a superar as anomalias comportamentais tóxicas através da elaboração de pressupostos para um código de ética institucional;
- aprimorar o instrumento capaz de indicar quais situações podem ser classificadas como patologias sociais, com o fim de alimentar o banco de dados do observatório de patologias sociais; no caso, trata-se de construir um instrumento indicador de patologias sociais que possa dimensionar as questões referentes a situação educacional e de saúde, assim como outras áreas correlatas inerentes ao convívio em sociedade;
- elaborar uma análise dos fenômenos que impedem a autorrealização e, por este motivo, interferem e, portanto, inibem a hetero-realização, considerada como uma forma de vida socialmente saudável;
- por fim, esses objetivos devem encaminhar uma nova edição do Glosário de Patologías Sociales, segunda edição ampliada e renovada.

Justificativa

O projeto de pesquisa proposto é um marco extraordinário na trajetória deste pesquisador, pois significa uma inovação na área social e, principalmente na transversalidade entre educação e saúde. Nesse processo, o grande destaque está na cooperação entre pesquisadores e grupos de pesquisa em nível nacional e internacional. Atualmente, o projeto integra os cursos de pós-graduação em Educação e Odontologia. Neste contexto, a criação deste projeto específico visa estabelecer uma visão multidisciplinar sobre as patologias sociais e saúde. Por fim, o resultado das investigações, seja no âmbito individual ou em colaboração com outros pesquisadores (iniciantes e sênior) pode ser visto através da vasta participação em eventos, palestras e publicação.
No total, foram três seminários avançados sobre Patologias Sociais (2019 e 2021), em idioma estrangeiro. Com a pandemia, a continuidade não foi possível, mas em 2021 está havendo uma sequência dos Seminários para pós-graduação. No primeiro semestre, houveram 13 estudantes matriculados e, no Seminário III (2021/2), estão matriculados outros 16 (Epidemiologia, Odontologia, Educação, Artes Visuais, Filosofia, Sociologia, Ciências Ambientais, Nutrição, entre outros).
O Glosario de Patologías Sociales, no qual aparecem 22 definições, de 23 autores diferentes. São pesquisadores do Brasil, Estados Unidos, Chile, Argentina, Uruguai, Espanha e Alemanha.
Através de Missões de Trabalho, dos Seminários e das articulações com outras instituições, está se consolidando uma rede, com abrangência nacional e internacional, garantindo um trabalho trans- e multidisciplinar. Esse é, sem dúvidas, uma das justificativas consideráveis ligadas à renovação do projeto.

Metodologia

Essa complexa rede de intersecções e temas será estudo dos Seminários Avançados, através dos quais será possível não apenas congregar estudantes e pesquisadores de pós-graduação da Universidade Federal de Pelotas, em consórcio com outras instituições, principalmente as internacionais, mas também propor ações de intervenção. Ao mesmo tempo, a averiguação da percepção das pessoas em torno ao sofrimento social e de dor será auferido através de um questionário aplicado. Os dados deverão mostrar o quanto e como esses sintomas poderão indicar o que significa uma "patologia social".
Deseja-se, pois, consolidar este projeto em relação aos objetivos do mesmo. Em termos práticos, as ações estão ligadas às seguintes atividades:
• Reuniões periódicas para formação de recursos humanos com visão multidisciplinar, experiência em internacionalização e competências nas áreas de educação, saúde pública e epidemiologia.
• Continuar com Seminários Avançados (em idioma estrangeiro), de forma transdisciplinar, para aprofundar a temática relacionada às patologias sociais.
• Aplicar o questionário sobre a percepção das pessoas a respeito do sofrimento social.
• Formação de comitês interdisciplinares com abrangência internacional.
• Contribuir para melhorar os indicadores de internacionalização da UFPel e estender a possibilidade de interação entre a instituição estrangeira e outras PPGs da UFPel.
• Proporcionar expansão das possibilidades de implementação de ensino e pesquisa em áreas multidisciplinares e no desenvolvimento teórico e metodológico de excelência, o que certamente fortalecerá e consolidará o conhecimento nesta área de pesquisa dentro da Universidade como um todo, contribuindo assim para o equilíbrio regional da Pós-graduação brasileira.
• Elaboração de um website com indicadores idealizados pelo grupo.

Indicadores, Metas e Resultados

As metas e as ações de pesquisa exigem, pois, a continuidade da pesquisa de forma transversal. Nesse sentido, o escopo supõe a Agenda 2030 e alguns dos “17 objetivos de desenvolvimento sustentável para transformar o mundo”. Na verdade, a visualização dos objetivos da ONU é apenas uma inspiração para desenhar as atividades de pesquisa, seja no plano da discussão teórica como na conformação dos dados empíricos. De forma mais detalhada, essa divisão caberá ao grupo, mas não é função prioritária da coordenação. No entanto, a pandemia resultou em novos desafios para o próprio Observatório. Nesse sentido, não há dúvidas que a pesquisa está ganhando novos contorno. Por isso, tanto o instrumento de aferição como a reconfiguração do projeto não estão no escopo desse projeto específico, enquanto candidatura a bolsa produtividade. Todavia, como há pesquisadores e estudantes voltados para as duas linhas (teórica e de campo), a proposta da ONU é, sem dúvidas, um modelo inspirador tanto para pesquisas das áreas da filosofia e da educação, como para professores e estudantes da área da saúde.
No campo da Educação, e correlacionado com as áreas envolvidas ao projeto, o Objetivo 4, por exemplo, servirá de subsídio, uma vez que a Educação de Qualidade visa “assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”. Além desse, o Objetivo 3 refere-se à Saúde e Bem-Estar propõe a “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”.
Essa complexa rede de intersecções e temas será estudo dos Seminários Avançados, através dos quais será possível não apenas congregar estudantes e pesquisadores de pós-graduação da Universidade Federal de Pelotas, em consórcio com outras instituições, principalmente as internacionais, mas também propor ações de intervenção. Nesse quesito, dever-se-á seguir com os intercâmbios internacionais, missões de trabalho, reuniões e publicações.
Enquanto coordenador do Observatório Global de Patologias Sociais e, seguindo como pesquisador nos PPGs em Educação em Filosofia da UFPel, deseja-se, pois, consolidar este projeto em relação aos objetivos do mesmo. Em termos práticos, as ações estão ligadas às seguintes atividades:
• Reuniões periódicas para formação de recursos humanos com visão multidisciplinar, experiência em internacionalização e competências nas áreas de educação, saúde pública e epidemiologia.
• Continuar com Seminários Avançados (em idioma estrangeiro), de forma transdisciplinar, para aprofundar a temática relacionada às patologias sociais.
• Participar de eventos e simpósios internacionais sobre o tema.
• Formação de comitês interdisciplinares com abrangência internacional.
• Contribuir para melhorar os indicadores de internacionalização da UFPel e estender a possibilidade de interação entre a instituição estrangeira e outras PPGs da UFPel.
• Proporcionar expansão das possibilidades de implementação de ensino e pesquisa em áreas multidisciplinares e no desenvolvimento teórico e metodológico de excelência, o que certamente fortalecerá e consolidará o conhecimento nesta área de pesquisa dentro da Universidade como um todo, contribuindo assim para o equilíbrio regional da Pós-graduação brasileira.
• Elaboração de um website com indicadores idealizados pelo grupo.
• Desenvolver e validar um instrumento para diagnosticar percepções de patologias sociais em indivíduos ou populações.
• Desenvolver um artigo de hipótese, ilustrando a associação entre as patologias sociais (percebidas ou não) e desfechos em saúde humana.
• Desenvolver uma revisão de escopo, caracterizando o termo patologias sociais e suas implicações para a área da saúde
Um dos objetivos do observatório destaca a criação de consórcios de pesquisa em rede para diagnóstico, síntese de conhecimentos e formação de observatórios globais com pesquisadores de distintos países. De este modo, poder-se-á discutir as patologias sociais, suas origens e os desdobramentos para ciências sociais e da saúde, para a filosofia e a educação. A exposição dos impactos poderia ser o ponto de partida para definir políticas sociais, uma tentativa para minimizar os efeitos nefastos das patologias e, ao mesmo tempo, consolidar políticas preocupadas com o bem-estar social, isto é, para a autorrealização dos sujeitos e, ao mesmo tempo, na perspectiva de uma hetero-realização. Não há dúvidas que o atual modelo de intervenção em doenças e patologias focado apenas no modelo curativo está esgotado, uma vez que trata apenas a manifestação clínica das doenças e não suas causas, muitas vezes de origem social profunda. Assim, a nova fronteira do conhecimento científico no que tange o tratamento de doenças crônicas não comunicáveis se insere precisamente no contexto do estudo das Patologias Sociais e suas implicações. Neste contexto, a intervenção passa a ser focada na sociedade e não apenas no indivíduo. No escopo desse projeto, estão previstas ações que vão desde o diagnóstico das patologias sociais até a proposição de intervenções para testar hipóteses através de investigação clínica e epidemiológica. O fato de envolver pesquisadores das humanas e da saúde, o Observatório segue com as duas linhas mestras: o âmbito empírico, com o fim de reunir dados sobre patologias sociais. No caso, espera-se que o pós-pandemia garanta as possibilidades reais para reunir os dados acerca da percepção que as pessoas têm a respeito do sofrimento ou patologia social e, ao mesmo tempo, de como isso se revela como uma espécie de patologia que interfere na convivência social. Ao mesmo tempo – e essa é a outra parte da pesquisa do Observatório – a repercussão do glossário já é tema para uma segunda edição, de modo a reunir as contribuições de novos pesquisadores e, assim, ampliar o mapa das distintas patologias sociais. Tal contribuição revelaria a variedade de propostas e, embora multiforme, poderá servir como marco para análise crítico do âmbito social, uma contribuição para o debate social com distintas e diferenciadas interpretações. Nesse sentido, a relevância do projeto pode ser percebida desde sua inserção no escopo do objetivo de integração institucional, transdisciplinaridade entre diferentes áreas de conhecimento e desdobramentos em atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária. Além disso, pela dimensão que o projeto possui a partir do Observatório, o caráter de internacionalização está presente e o fomento ao compartilhamento de dados, experiências e aprendizagens são inerentes à execução. Além do mais, destaca-se a originalidade do Observatório Global de Patologias Sociais como o único centro de estudos com foco nessa área de conhecimento no Brasil e quiçá no mundo. O impacto mais importante do projeto remete a sua contribuição ao Observatório na busca de identificar déficits e disparidades sociais que geram patologias, ou seja, enfermidades que afetam a consolidação da justiça e da solidariedade social. Com esse foco, o a criação de consórcios de pesquisa em rede permite, então, a geração de evidências com estudos clínicos, síntese do conhecimento e formação de recursos humanos qualificados nas diferentes áreas envolvidas. Em relação à UFPel, os impactos internos concerne às reuniões multidisciplinares periódicas, para discussões sobre patologias sociais, suas origens e desdobramentos para ciências sociais e ciências da saúde com o intuito de discutir os impactos e definir políticas sociais que principalmente previnam, mas que também superem os déficits causados pelas patologias sociais. Por certo, o próprio ato de fazer e comunicar ciência, evolvendo desde os aspectos éticos mais elementares até aspectos metodológicos e de organização conceitual, certamente terão um efeito transversal em todo o Projeto de Internacionalização da UFPel, nos diferentes grupos de pesquisa e Programas de Pós-Graduação, e por fim, espera-se impactar de forma transversal as áreas do conhecimento envolvidas. Dessa forma, o projeto é um suporte teórico e prático para sua efetiva marca e presença com excelência no cenário nacional e internacional. O impacto do projeto desdobrar-se-á na consolidação teórico-prática de uma metodologia junto a um espaço de investigação com sólida presença de investigadores de múltiplas áreas através do fortalecimento da rede que vendo instituída via observatório de patologias sociais. Desde modo, a necessidade de apontar também alternativas concretas, isto é, de políticas públicas e sociais que coadunem o aspecto de análise com as exigências éticas, de modo a visualizar e determinar as “más práticas” sociais e, então, conformar orientações voltadas às “boas práticas”. Deste modo, a Universidade também poderá consolidar seus espaços para a formação e qualificação de profissionais preocupados com as áreas sociais. Diante disso, o projeto, vinculado ao Observatório, revela-se como um veículo importante, com enormes repercussões Globais, principalmente ao contexto latino-americano e na região de abrangência da Universidade Federal de Pelotas. Por isso, outras iniciativas em andamento e lideradas por pesquisadores da UFPel serão usadas como arcabouço para as discussões estabelecidas e também servirão como referência para a implementação das ações propostas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
EDUARDO DICKIE DE CASTILHOS9
ELIAS KRUGER ALBRECHT
GABRIELA GARCIA TORINO
GEFFERSON SILVA DA SILVEIRA
GRACE ELEONORA MARTINS BRAZ
JOVINO PIZZI14
KAREN LAIZ KRAUSE ROMIG
MARIBEL DA ROSA ANDRADE
MAXIMILIANO SERGIO CENCI10
NOELI BOSCATO10
OTAVIO PEREIRA D AVILA9
PATRICIA WEIDUSCHADT11
RAFAEL GUERRA LUND2
RICHÉLE TIMM DOS PASSOS DA SILVA
THAÍS PICCOLO CARVALHO
VALÉRIA FONTOURA NUNES
VITOR GARCIA STOLL

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPES / Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível SuperiorR$ 12.300,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339033 - Passagens de Despesas de LocomoçãoR$ 6.000,00
339014 - Diária Pessoa CivilR$ 6.300,00

Página gerada em 13/04/2024 07:09:27 (consulta levou 0.243755s)