Nome do Projeto
Redes Globais de Governança, BNC-Formação e Ensino Híbrido: implicações para o currículo e trabalho docente
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/07/2023 - 30/06/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
A Base Nacional Comum da Formação de Professores (BNC-Formação) e as Diretrizes Gerais sobre a Aprendizagem Híbrida definiram Diretrizes para a formação inicial e continuada de professores da Educação Básica. Essas diretrizes alinham a BNC-Formação à proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) com forte investimento das políticas de avaliação nacional e internacional. A pesquisa analisa a implantação da BNCC e da BNC-Formação, no contexto das redes políticas globais de governança, e suas implicações para o currículo e o trabalho docente em escolas públicas, a partir da emergência do Ensino Híbrido, como modelo para o ensino na educação básica. A ideia do estudo é discutir como as propostas de padronização curricular, como a BNCC, a BNC-Formação e o incentivo ao Ensino Híbrido são uma forma de mobilidade de políticas globais aplicadas em contexto local. A proposta vai analisar as redes políticas que se organizam para formular e implantar as reformas, e como tais políticas são interpretadas e traduzidas nos contextos escolares, a partir da percepção de grupos de discussão com docentes. A produção de dados desenvolver-se-á a partir de levantamento documental (documentos oficiais, páginas web), da identificação e mapeamento dos atores sociais envolvidos nessas políticas (agentes de governo, PPPs, Fundações e Institutos privados sem fins lucrativos), e da análise de informações obtidas em vídeos, entrevistas on-line e informações midiáticas. Os dados gerados serão analisados e submetidos a grupos de discussão de docentes, para perceber como esses grupos interpretam e traduzem essas políticas. As ferramentas teóricas da análise de redes políticas e o uso da etnografia de redes serão empregados como abordagem teórico-metodológica para o mapeamento de atores e para aprofundar análises da elaboração e da formulação de políticas educacionais, para melhor compreender essas políticas e seus efeitos na gestão, no currículo, na formação e no trabalho docente.

Objetivo Geral

Objetivo geral Analisar a implantação da BNCC e da BNC-Formação, no contexto das redes políticas globais de governança, em particular suas implicações para o currículo e o trabalho docente em escolas públicas, a partir da emergência do Ensino Híbrido como modelo para a formação docente e para o ensino na educação básica. Objetivos específicos a) identificar os discursos de padronização na proposta da BNC-Formação e de estímulo ao Ensino Híbrido, em particular nas redes públicas selecionadas; b) mapear e analisar redes de novos atores, bem como seus modos de intervenção no contexto da educação brasileira em relação aos temas do estudo; c) analisar as redes políticas de governança, no processo de efetivação da BNC-Formação e de estímulo ao Ensino Híbrido no Brasil; d) analisar como os discursos oficiais da BNC-Formação e Ensino Híbrido são interpretados e traduzidos nos contextos escolares, a partir da percepção de grupos de discussão com docentes.

Justificativa

Esta é uma proposta de pesquisa em rede, coordenada pelo CEPE (UFPel). O projeto dá continuidade às atividades de investigação sobre Currículo, Gestão, Formação e Trabalho Docente, em parceria com outras instituições nacionais e estrangeiras. O objetivo é tematizar alguns efeitos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e da BNC-Formação sobre a constituição do trabalho docente, conectado com políticas educativas que reforcem o Ensino Híbrido. Nossa inquietação está em compreender como o processo global e local de padronização e uniformização, estabelecido por redes políticas globais de governança, pode afetar a formação, a atuação docente e as relações com o próprio trabalho. As iniciativas das reformas emergem de agendas globais que potencializam a meritocracia, a eficiência, a competitividade, a comparação e o resultado. Este modelo de educação é apresentado como solução política para os problemas da qualidade da educação pública. Este é o contexto em que se encontram políticas caracterizadas como redes de governança que vêm influenciando o campo educacional (dialogamos com autores como Ball, Robertson, Verger e outros). É um contexto de profunda reorganização do Estado, com a profusão de redes globais de governança, com pressupostos neoliberais, que buscam definições importantes para as reformas educacionais. A reforma educacional se fortalece com o discurso da importância da educação para os contextos local e global. A proliferação desses discursos se associa à emergência de redes políticas de influência. O processo de expansão neoliberal e das parcerias público-privadas (PPPs) na educação ocorre há vários anos, como mostram vários estudos. Estudos sobre as relações público-privadas na educação demonstram que muitas parcerias atuam na constituição de redes de governança, não só para ampliar as PPPs para muito além dos objetos iniciais, como para constituir relações de governança em redes heterárquicas de poder, que confundem o que é público e o que é privado, ampliando a adoção de políticas neoliberais. O contexto da pandemia determinou um avanço no uso das tecnologias na educação. O aumento do uso dessas tecnologias no contexto atual foi beneficiado por políticas desse tipo, pois havia um ambiente propício. O momento pandêmico aguçou as injustiças sociais e econômicas, e deixou evidente que o sistema público está muito distante de um padrão mínimo de qualidade. Não há estrutura física e material na educação pública, em termos de equipamentos, insumos, redes de comunicação, internet, para garantir condições mínimas a estudantes de diferentes classes sociais. Houve um impulso de grandes empresas da área de tecnologias, que, mesmo na crise atual, obtiveram lucros imensos. Google Meet, Zoom, Classroom, Telegram são palavras de uso comum. Consideramos que na implementação da BNCC e da BNC-Formação cresce o debate sobre a supremacia do Ensino Híbrido, não no sentido simplificado de ensino remoto/presencial, mas no sentido mais definidor do tema que é o Ensino Híbrido, como em inglês "Blended learning", que é uma metodologia construída como uma inovação metodológica para a educação dos tempos atuais. É uma didática que mistura (blend) dinâmicas de grupo, métodos, ambientes virtuais, atividades presenciais, uso de tecnologias etc. Nossa tese é que estamos diante de uma concepção pedagógica neo-tecnicista, sofisticada, de difícil oposição, pois trabalha a partir de um senso comum.
A proposta deste projeto em redes é relevante para os estudos sobre políticas educacionais no contexto atual, tanto brasileiro quanto global. Nossa realidade educacional tem sido muito influenciada pelo que tem sido chamado de GERM - Movimento de Reforma Educacional Global, no nosso tema específico, políticas que interferem nas políticas atuais de currículo e de formação docente. A criação da BNCC e da BNC-Formação pretende uma padronização curricular tanto para a educação básica quanto para a formação docente, a partir de parâmetros decorrentes de mobilidade de políticas e pela influência do GERM, em um contexto de avaliação em larga escala, de orientação para uma educação baseada em evidências, com forte atuação de parcerias público-privadas, que submetem a educação pública a regras do mercado. Com a introdução das plataformas digitais e das tecnologias digitais na educação, temos presenciado um apelo ao ensino híbrido como melhor modelo para o ensino escolar. Nesse sentido, a produção prevista nesta proposta de uma rede articulada de pesquisa pode consolidar um avanço no conhecimento sobre as redes políticas de governança, sobre os impactos das tecnologias digitais na educação para o currículo e para o trabalho docente. A abordagem teórica de etnografia de redes e estudos sobre as políticas globais de governança em educação ainda são iniciais na área e, por isso, julgamos que esta iniciativa tem muito a contribuir para a pesquisa em educação. Ainda que seja uma abordagem não muito difundida nos estudos educacionais, já podemos considerá-la sólida e consistente para o desenvolvimento do trabalho. É uma proposta original que se alicerça em procedimentos de pesquisa bem atuais, consoantes com estudos realizados em vários centros internacionais e com uma contribuição e impacto muito positivos para as análise de dados propostas na investigação.
A proposta deste trabalho em rede não é uma proposta de pesquisa aplicada, mas apresenta mais características de pesquisa básica. Muitos dos resultados esperados poderão auxiliar ou contribuir para problematizar problemas práticos, atualmente vivenciados pelas redes públicas de ensino. Todavia, a maior contribuição pretendida é para alimentar o acervo teórico da área e das formulações de políticas públicas. As análises de redes políticas de governança são muito atuais e ainda necessitam de aprofundamentos para uma melhor compreensão dos processos envolvidos no campo educacional. O projeto é inovador no sentido de agregar formulações teóricas desenvolvidas por outros grupos em vários países (Inglaterra, Espanha, Portugal e Chile, por exemplo) que nos mostram como os processos de reformas educacionais são globais e como se movimentam as políticas nesse campo. Assim como inova no campo metodológico ao incorporar novas abordagens qualitativas muito produtivas para o momento de vivemos de crescimento de atividades sociais virtuais nas redes sociais. É uma proposta que trabalha um tema muito atual e desafiador para o campo da formação docente e da implantação de um currículo nacional, como estamos presenciando, bem como para o incremento do uso de novas tecnologias digitais, muito impulsionadas no mercado de novos materiais educacionais. Agrega também no sentido de incrementar articulações com grupos de pesquisa nacionais e internacionais.
Pela própria natureza da discussão e da área, o projeto interage com outras áreas ou subáreas do conhecimento e possui um caráter interdisciplinar que expande o conhecimento para outras áreas. Na equipe de trabalho majoritariamente temos pesquisadores do campo educacional, mas com forte acento nas teorias sociológicas e políticas. A abordagem é com base nas teorias de currículo (estudos sobre avaliação e padronização curricular), nas teorias de sociologia política (metodologias, impactos sobre trabalho docente, políticas sociais), teorias políticas (governança e redes políticas, mobilidade de políticas), assim como teorias sobre redes sociais e análise de redes. Na equipe temos a colaboração de profissionais da área de educação, da comunicação com especialidade em análise de redes sociais, da ciência política, da sociologia, o que nos permite uma análise bem multidisciplinar. Isso nos permite uma abordagem ampla e interdisciplinar do tema expandindo nossas possibilidades de conhecimento com áreas variadas.

Metodologia

As discussões propostas têm como base os estudos sobre Nova Gestão Pública, gerencialismo e políticas educacionais, que vêm sendo desenvolvidos pelos pesquisadores envolvidos (SILVA, 2012; SILVA, 2014; SILVA; HYPOLITO, 2019; HYPOLITO; LIMA.; SILVA, 2019), com o entendimento de que as redes políticas se constituem em novas formas de governança em educação e sustentam um projeto de sociedade e uma agenda educacional global. Nossos estudos buscam construir uma estratégia de pesquisa baseada na etnografia de redes, análise documental e estudos qualitativos presenciais, tais como grupos de discussão. Este enfoque teórico-metodológico busca compreender a governança como práticas, que envolvem relações de poder e conhecimentos para governar. Entendemos a governança como um modelo de governar que envolve modos, processos, atores e instrumentos com diferentes interesses na gestão pública, articulados em torno de interesses do neoliberalismo. O uso deste conceito permite uma compreensão do aparecimento e do processo de legitimação de novos atores sociais presentes no contexto atual - parcerias público-privadas, novas filantropias, corporações internacionais, empreendedores sociais, acadêmicos, setor midiático, ONGs, fundações de caridade, fundações sem fins lucrativos, think tanks, consultores privados e empresas especializadas em conhecimento para formulação de políticas, organismos internacionais, tipo Banco Mundial e OCDE (BALL, 2014, p.35). Temos experimentado a análise de redes e a etnografía de redes como ferramentas teórico-metodológicas potentes para melhor compreender a formulação de políticas educacionais, principalmente identificar como os atores se relacionam entre si e como estabelecem redes políticas de influência. Esta proposta de pesquisa envolve o mapeamento, capturas, questionamentos dos movimentos, mobilizações, fluxos, relações e interações políticas nas redes que se constituem na implantação das políticas educativas. A etnografia de rede permite a identificação de redes que unem os atores e organizações nacionais e internacionais envolvidos na elaboração e difusão das políticas. Por meio dessa estratégia é possível buscar informações na participação de eventos, encontros e reuniões, assim como por meio das formas de difusão de informação-mídia, entrevistas publicadas, vídeos e outras atividades online. A utilização de redes como um dispositivo analítico para pesquisar relações de governança, neste projeto, será construída por meio da pesquisa e análise de documentos, entrevistas e notícias e com o auxílio de ferramentas de análise de redes, como o uso do software Gephi. Ademais, pretendemos construir grupos de discussão com docentes e equipes diretivas de escolas públicas, selecionados a partir de critérios estabelecidos no decorrer da investigação para compreender como as propostas da BNC-Formação e projetos para o Ensino Híbrido são traduzidos e interpretados por docentes da rede pública.

Indicadores, Metas e Resultados

Revisão teórica de conceitos e revisão de Literatura
Levantamento de dados - etnografia de redes
Oficinas para uso de software para análise de redes
Preparação para a coleta de dados (roteiros, definição de campo empírico Coleta de dados em ambientes virtuais e redes sociais
Contato com docentes de escolas e formação de grupos de discussão Realização dos grupos de discussão
Transcrição dos materiais coletados nas redes e nos grupos de discussão Análise de dados
Seminário de discussão
Produção de trabalhos para apresentação em seminários e encontros Produção de artigos científicos para publicação
Organização de livro com resultado das pesquisas e discussões realizadas Socialização dos resultados/Proposta de Seminário Final de Pesquisa Relatório Final

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE GONÇALVES DE MOURA
ALVARO LUIZ MOREIRA HYPOLITO5
AMANDA PORTO DA CRUZ
CAMILA BOTTERO CORRÊA
CARLA SILVA TORMAM
GABRIELA MOREIRA SPIERING
JULIANA DA ROCHA DOS SANTOS
MARTA NORNBERG2
Maria José de Sousa
RAQUEL PERES MACÊDO
Ricardo Boklis Golbspan4
SIMONE GONÇALVES DA SILVA4

Página gerada em 22/02/2024 10:12:26 (consulta levou 0.256041s)