Nome do Projeto
Coletivo Hildete Bahia: Diversidade e Saúde
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
17/10/2019 - 30/09/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Educação
Linha de Extensão
Grupos sociais vulneráveis
Resumo
O presente projeto objetiva realizar atividades de educação em saúde com escolares sobre diversidade e saúde. Além disso, também tem por objetivo ampliar a discussão sobre temas relacionados as práticas sociais e de saúde da comunidade negra, quilombola, indígena, LGBTQI+, e da saúde mental dos estudantes. As atividades serão realizadas por acadêmicos do curso de enfermagem que participam do Coletivo Hildete Bahia fundado em 13 de maio de 2019. Estão previstas reuniões, encontros, mesas redondas e demais eventos promovidos pelo coletivo Hildete Bahia em parceria com outros coletivos e com núcleos da própria UFPel.

Objetivo Geral

Realizar atividades de educação em saúde com escolares da rede pública do município de Pelotas e também rodas de conversa com acadêmicos, servidores e professores da Faculdade de Enfermagem da UFPEL sobre diversidade e saúde.

Justificativa

A justificativa para a realização deste projeto de extensão consiste em institucionalizar as atividades do coletivo Hildete Bahia que desde maio de 2019 se organizou para discutir pautas relacionadas a saúde das comunidades comunidade negra, quilombola, indígena, LGBTQI+, e da saúde mental. Isso se deve pela urgência de discutir dentro e fora dos espaços da Faculdade de Enfermagem as especificidades do cuidado a saúde de comunidades que historicamente foram excluídas das politicas públicas.
As Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem prevêm que “A formação do Enfermeiro deve atender as necessidades sociais da saúde, com ênfase no Sistema Único de Saúde (SUS) e assegurar a integralidade da atenção e a qualidade e humanização do atendimento” (BRASIL, 2001, p.: 03).
Temos interesse de ampliar a discussão da legislação dentro do próprio perojeto pedagogico do curso a respeito das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura AfroBrasileira, Africana e Indígena, nos termos da Lei Nº 9.394/96, com a redação dada pelas Leis Nº 10.639/2003 e N° 11.645/2008, e da Resolução CNE/CP N° 1/2004, fundamentada no Parecer CNE/CP Nº 3/2004), aos Direitos Humanos (Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos, conforme disposto no Parecer CNE/CP N° 8, de 06/03/2012, que originou a Resolução CNE/CP N° 1, de 30/05/2012.
Nos interessa ainda discutir sobre a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT) instituída pela Portaria nº 2.836, de 1º de dezembro de 2011 que institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Metodologia

Serão realizadas reuniões semanais do Coletivo Hildete Bahia para acompanhamento e organização das atividades de extensão. Espera-se realizar atividades de educação em saúde com escolares do ensino fundamental (6 ao 15 anos) e ensino médio sobre a saúde e a diversidade como cidadania e qualidade de vida.
Também serão realizadas rodas de conversa e mesas redondas de discussão sobre as as práticas sociais e de saúde da comunidade negra, quilombola, indígena, LGBTQI+, e da saúde mental dos estudantes dentro da Faculdade de Enfermagem com estudantes, servidores e professores.
Em toda data comemorativa oriunda dos movimentos sociais estaremos realizando rodas de conversa com palestrantes vinculados ao coletivo Hildete Bahia e palestrantes externos ao coletivo que tenham lugar de fala sobre o tema a ser discutido e debatido.

Indicadores, Metas e Resultados

Esperamos utilizar como indicadores taxas de satisfação sobre os assuntos abordados mediando aplicação de Escala Likert de avaliação de satisfação.
Esperamos como principais resultados que ocorra a ampliação e discussão sobre as temáticas abordadas tanto nas escolas publicas de ensino fundamental e de ensino médio, assim como na própria comunidade da Faculdade de Enfermagem. Que as especificidades em saúde das populações negra, quilombola, indígena, LGBTQI+, e da saúde mental possam ser tomadas como frentes de respeito, ética, com vistas a integralidade do cuidado.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALICE MORALES DOS SANTOS
AMANDA BARTH GOMES
ANA CANDIDA MARTINS BÁLSAMO TAROUCO
CAROLINE DE LIMA PAZ
CHAIANY MIKAELA BILHALVA BICA
DEISI CARDOSO SOARES3
DÁKNY DOS SANTOS MACHADO
HELCIO FERNANDES BARBOSA JÚNIOR
HELENA DA CRUZ CAMPELO
HELENA DOS SANTOS CARDOSO
INAÊ DUTRA VALÉRIO
IZAURA DE OLIVEIRA
JOAO PEDRO BOTELHO PINTO
JULIANA SANTOS DOS SANTOS
KAREN SOARES PORTO
LETIANE BORGES CANEZ
LISIANE DA CUNHA MARTINS DA SILVA
LUCIANE PRADO KANTORSKI12
MARCIA MONKS JAEKEL
MARINA SOARES MOTA101
MATHEUS TASSO MADRUGA
MICHELE MANDAGARA DE OLIVEIRA99
MIRIAN QUENIA COSTA DA ROSA
NORIS MARA PACHECO MARTINS LEAL4
POLIANA FARIAS ALVES36
RAPHAELA FARIAS FERREIRA
RAQUEL SILVEIRA RITA DIAS2
RENATA VIEIRA AVILA
RODRIGO LARANJEIRA
RODRIGO PAIVA DA ROSA
TAÍS ALVES FARIAS
TAÍS ALVES FARIAS
VALERIA CRISTINA CHRISTELLO COIMBRA12
VANESSA DUTRA CHAVES
VITORIA PERES TREPTOW
WENDEL FARIAS RODRIGUES
WILSON TEIXEIRA DE ÁVILA
ÍRIA RAMOS OLIVEIRA

Página gerada em 23/01/2022 15:27:06 (consulta levou 0.124214s)