Nome do Projeto
FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL COM VISTAS À PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
09/06/2021 - 29/12/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
O ambiente escolar é um local privilegiado para formação de práticas alimentares e de saúde adequadas. A oferta de alimentos variados e saudáveis, que considerem a cultura alimentar e o acesso aos alimentos, o incentivo a autonomia e o autocuidado, irão contribuir para a adoção de práticas saudáveis, que poderão ser repassadas as famílias. A realização de atividades de Educação Alimentar e Nutricional (EAN), inseridas no currículo, devem fazer parte da rotina da escola. A proposta desse Projeto cujo objetivo é traçar o perfil nutricional dos professores e desenvolver estratégias de formação de professores em EAN com vistas a promoção da alimentação saudável em Escolas Municipais na cidade de Pelotas, RS, parte do pressuposto que a partir da reflexão sobre as práticas alimentares dos professores, o compartilhamento de saberes e informações, a construção coletiva de conceitos e de proposições, poderão contribuir para promoção da alimentação saudável nas escolas através da produção de conhecimento em EAN. Estudo de abordagem quanti-qualitativo, que será realizado com os/as professores/as das escolas dos territórios das Unidades Básicas de Saúde (UBS) atendidas pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL): Vila Municipal, Areal Leste e Centro Social Urbano (CSU), na cidade de Pelotas/RS. Ao todo serão oito encontros com diferentes temáticas. Espera-se com este Projeto, verificar o perfil nutricional dos participantes e desenvolver ações de promoção à saúde, e consequentemente melhorar a qualidade de vida destas pessoas e das que convivem com elas, assim como desenvolver possível autonomia em suas escolhas alimentares saudáveis e transmissão de conhecimento e comportamento saudável aos seus alunos.

Objetivo Geral

Traçar o perfil nutricional dos professores e desenvolver estratégias de formação de professores em Educação Alimentar e Nutricional com vistas a promoção da alimentação saudável em Escolas Municipais na cidade de Pelotas, RS.

Justificativa

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) preconizam que, a saúde esteja presente nos currículos e seja trabalhada como tema transversal, isto é, abrangendo todas as disciplinas. Dentro deste tema, também estaria contemplada a EAN. Sendo assim, para multiplicação destes conhecimentos, o professor munido de informações técnicas para trabalhar o tema, se torna um importante aliado (MIRA, 2007). Com a publicação da Lei nº 13.666, publicada em 16 de maio de 2018, a EAN passou a fazer parte do currículo escolar, como tema transversal. O projeto de lei que deu origem a Lei n°13.666, propôs a inclusão do tema nos currículos do ensino fundamental e do ensino médio, no conteúdo das disciplinas de Ciências e Biologia, respectivamente.
Para estímulo e formação de hábitos de vida e alimentares saudáveis, a escola é um ambiente profícuo. Começando com o incentivo a amamentação e a introdução de alimentos variados na Educação Infantil, que irão colaborar na formação de hábitos alimentares adequados. Estes, uma vez iniciados nos primeiros anos de vida, poderão se perpetuar na idade adulta. No Ensino Fundamental, a oferta de alimentos variados e saudáveis, que considerem a cultura alimentar e o acesso aos alimentos, além do incentivo a autonomia e o autocuidado, irão contribuir para a adoção de práticas saudáveis, que poderão ser repassadas as famílias. Para que essas atividades possam ser realizadas, a cultura escolar precisa ser repensada e o momento das refeições utilizado como um momento profícuo para um trabalho pedagógico, que inclua a formação de hábitos alimentares saudáveis. (MADRUGA, 2018).
Portanto, se faz necessário repensar a formação dos professores sobre EAN e suas práticas alimentares, o que consideram “alimentos saudáveis”, além de oportunizar estratégias, metodologias, referenciais teóricos, que possam subsidiar suas ações de EAN.

Metodologia

Este estudo é de abordagem quanti-qualitativo.
O estudo será realizado com os/as professores/as das escolas dos territórios das Unidades Básicas de Saúde (UBS) atendidas pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL): Vila Municipal, Areal Leste e Centro Social Urbano (CSU), na cidade de Pelotas/RS.
Quadro 1. Descrição das Escolas e Unidades Básicas de Saúde incluídas no Projeto. Pelotas, 2021.

UBSs ESCOLAS NÚMERO DE DOCENTES
Vila Municipal Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Bom Pastor 4
Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Nossa Senhora das Dores 42
Areal Leste EMEF Piratinino de Almeida 96
EMEI Albina Peres
8
EMEF Lélia Olms 8
Centro Social Urbano (CSU) EMEF Afonso Viceu 54
EMEF Bibiano de Almeida 58
EMEF Círculo operário 46
EMEF Ginásio do Areal 50
TOTAL: 366

Este Projeto apresenta atividades de pesquisa e de extensão, sendo ambas planejadas conforme protocolos atualizados (estaduais e municipais) de segurança para Pandemia da Covid-19.
Salienta-se que as nutricionistas coordenadora e colaboradoras do projeto o apresentam na sua rotina de trabalho, atividades semanais nas Escolas citadas, afim de promover saúde entre os envolvidos.
Desta forma, está sendo proposto um Projeto afim traçar o perfil nutricional dos professores e desenvolver estratégias de formação de professores em Educação Alimentar e Nutricional com vistas a promoção da alimentação saudável em Escolas Municipais na cidade de Pelotas, RS.
Os participantes do estudo serão aproximadamente 366 professores que atuam nas Instituições, conforme citado no quadro 1.
Serão excluídos da pesquisa os professores que estejam em férias ou em licença-saúde no período da coleta de dados.
O perfil nutricional dos professores, será avaliado da seguinte forma:

- Triagem Nutricional:
- Os professores responderão um questionário sobre sua saúde de forma geral, assim como sobre o consumo e o comportamento alimentar (ANEXO 1).
- Será realizada aferição do peso (Kg) e da altura (m), conforme Manual de técnicas do SISVAN (BRASIL, 2011). E, após, será calculado o Índice de Massa Corporal (IMC), afim de classificar o estado nutricional dos professores. Para classificação do estado nutricional será usado os pontos de corte (OMS,2005).
- A Triagem Nutricional será realizada pela nutricionista em local (sala de aula, pátio ou refeitório) e horários alternados, previamente combinados com a direção das escolas, obedecendo os protocolos de segurança (municipais e estaduais) para Pandemia da Covid-19.
- Práticas alimentares:
- Divididos em grupos (no máximo 4 professores por grupo e obedecendo o distanciamento social conforme protocolos de segurança para pandemia da Covid-19), cada professor irá escrever em uma folha o que consumiu no dia anterior. Após, apresentarão e discutirão o que acham que é saudável, o que não é e o porquê. Cada grupo deve escolher o que julgarem o melhor cardápio para apresentar ao grande grupo. Devem refletir o porquê de ser escolhido como o melhor cardápio, o que difere dos demais.
Esta atividade será realizada preferencialmente no pátio ou refeitório da escola, por serem ambientes maiores e mais ventilados.
- Alimentação equilibrada:
- Nesse encontro, será apresentado aos participantes um vídeo sobre o “Guia Alimentar para a População Brasileira” (BRASIL, 2014) (Após o vídeo, os participantes deverão realizar duas atividades práticas.
- Atividade prática 1: Separar alguns alimentos conforme a classificação e orientação do Guia (BRASIL, 2014).
- Atividade prática 2: Cada pequeno grupo deverá refletir e discutir sobre os hábitos alimentares de suas famílias. Depois, escrever em uma folha de papel pardo algumas dicas de alimentação, tendo como base o Guia Alimentar (BRASIL, 2014) e refletindo sobre os hábitos alimentares de suas famílias.
-Hábitos alimentares:
- Cada participante deve refletir sobre como era a sua alimentação na infância, quais foram as mudanças que aconteceram e porquê.
- Assistir o documentário “Muito além do peso” (MUITO , 2012) e refletir sobre os fatores que influenciam nas práticas alimentares.
- Educação Alimentar e Nutricional (EAN):
- Atividade individual: cada professor receberá uma folha em branco de papel A4 e serão convidados a elaborar uma imagem sob o tema: “O que é a EAN para você”.
Será disponibilizado lápis de cor e caneta hidrocor. Poderão utilizar o verso da folha para escrever sobre a imagem produzida. Após, serão convidados a apresentar ao grupo, as imagens e seus significados.
Alguns termos utilizados na apresentação poderão ser destacados para, posteriormente, ser apresentado o conceito de EAN.
- Apresentação do Marco de Referência de EAN (BRASIL, 2012). Após, dialogar sobre como está a inserção da EAN no currículo escolar.
- Alimentação escolar:
- Os professores devem refletir e discutir sobre a alimentação escolar e o PNAE, os tipos de alimentos ofertados, a aceitação dos estudantes, os horários das refeições e a rotina escolar. Após a discussão, deverão citar dificuldades com a alimentação escolar e propor alternativas para resolver.
- Ações:
- Atividade individual: cada professor/a deverá propor uma ação de promoção a alimentação saudável na sua escola. A ação deverá ser registrada em um Plano de Ação que será pactuado com as formadoras.
- Avaliação da formação.
Exceto a triagem nutricional que poderá ocorrer em mais de um dia, os demais serão sete encontros, sendo um para cada tema que será trabalhado e um que será pactuado com os participantes para apresentação das ações.
2.5.1 Aspectos éticos
O presente Projeto seguirá as recomendações da Resolução n°466/12 do Conselho Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde, sobre Pesquisa com Seres Humanos (BRASIL, 2012) assim como com a Resolução n° 510 de 07 de abril de 2016 (BRASIL, 2016) e será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), por meio do site da Plataforma Brasil.
O projeto somente iniciará após a aprovação do CEP. Os dados coletados não terão identificação dos participantes, mantendo seu anonimato e, sendo seu uso apenas para fins de pesquisa. Os resultados serão armazenados sob responsabilidade do coordenador do Projeto, na Faculdade de Nutrição, por um período de 5 anos, sendo após destruídos.
Após análise dos dados, o coordenador do Projeto compromete-se em fornecer os resultados do estudo aos locais de realização.
Todos os convidados que aceitarem participar de forma voluntária do estudo, deverão assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) (ANEXO 2). Os mesmos serão esclarecidos acerca dos objetivos e da metodologia utilizada, bem como sobre os riscos e benefícios da pesquisa. O estudo não desencadeará riscos físicos, pois somente serão realizadas entrevistas e aferição de peso e altura. No entanto, se em algum momento, algum participante sentir algum incômodo ou desconforto, terá a liberdade de encerrar e desistir da participação no estudo, sem prejuízo algum. Os benefícios da pesquisa aos participantes são proporcionar a possibilidade de reflexão sobre seu processo de trabalho e reflexos na sua saúde, bem como trazer a possibilidade de propor intervenções que auxiliem na melhoria da qualidade de vida dos profissionais.
Para o desenvolvimento do projeto, os locais onde pretendem-se desenvolver as ações, deverão fornecer um documento assinado e carimbado, autorizando as atividades planejadas (Anexo 3).
Para realização das atividades será sempre verificado a situação sanitária do município no que diz respeito a pandemia do Covid-19, assim como seguirão os protocolos de segurança recomendados pelo estado do Rio Grande do Sul e município de Pelotas.

Indicadores, Metas e Resultados

3. Análise dos dados
- O perfil nutricional da população estudada será verificada por análise estatística dos dados dos questionários, sendo digitação feita no Excel® e análise feita no Stata® 12.0 .
- A avaliação da formação será realizada pela Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011) das avaliações realizadas no último encontro formativo.
- A ação de promoção a alimentação saudável nas escolas deverá ser registrada e o material produzido apresentado em um encontro de encerramento.




4. Resultados e impactos esperados
Espera-se com este Projeto, verificar o perfil nutricional dos participantes e desenvolver ações de promoção à saúde, e consequentemente melhorar a qualidade de vida destas pessoas e das que convivem com elas, assim como desenvolver possível autonomia em suas escolhas alimentares saudáveis e transmissão de conhecimento e comportamento saudável aos seus alunos.

5. Avaliação
A avaliação em relação ao conhecimento sobre Educação Alimentar e Nutricional por parte dos professores com vistas a promoção da alimentação saudável deve ocorrer de forma imediata, através da autorreflexão sobre suas práticas alimentares e de suas famílias. As atividades propostas visam empoderar os participantes sobre práticas alimentares adequadas e leva-los a refletir sobre mudanças factíveis em seus contextos. Algumas dessas mudanças poderão estar registradas na avaliação da formação e fazer parte da Análise de Conteúdo.
A avaliação em relação a alimentação escolar e a EAN será realizada através da ação de alimentação saudável que será proposta pelos participantes e sua adequação em relação aos temas estudados durante a formação.


Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANA ANDREA VARGAS ZORZI
ANA CAROLINE ROCHA ROMANCINI
ANGELA DE SIQUEIRA CAMEJO2
BRUNA KLASEN SOARES
CRISTINA CORREA KAUFMANN2
DENISE PERLEBERG
FERNANDA PONS MADRUGA6
JULIANA CRUZ DE SOUZA
LAURA CARNEIRO DA ROSA ARANALDE2
MABEL NILSON ALVES2
MARIANNA COIMBRA AGENDES

Página gerada em 09/08/2022 16:45:40 (consulta levou 0.095846s)