Nome do Projeto
Aplicação da Teoria do Comportamento Planejado na intenção de consumo de carne vermelha e na realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores no Brasil
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
04/04/2022 - 04/04/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
Entender fatores que influenciam a intenção do comportamento de consumidores é essencial para o desenvolvimento de mensagens efetivas para a população. Considerando a importância do comércio e consumo de carnes no Brasil, entender o que motiva o consumo de carne vermelha pode ajudar na projeção e entrega de informações sobre esse produto de maneira significativa ao mercado. Da mesma forma, entender o que influencia a intenção de realização de comportamentos de segurança dos alimentos pode auxiliar a elaborar intervenções que possam ser mais efetivas na promoção da saúde dos consumidores. O objetivo deste estudo é investigar, com base na Teoria do Comportamento Planejado (TCP), os determinantes que influenciam a intenção de consumo de carne vermelha, assim como a realização de comportamentos de segurança dos alimentos dos consumidores ao manipular alimentos em residências no Brasil. Ademais, será investigado o conhecimento sobre segurança dos alimentos dos consumidores, a influência da pandemia causada pelo coronavírus (SARSCoV-19) frente ao consumo de carne vermelha e realização de comportamentos de segurança dos alimentos, e a qualidade microbiológica das carnes comercializadas em açougues, utilizando como modelo a cidade de Pelotas, RS. O estudo será dividido em três etapas: na primeira etapa será realizado um estudo transversal quantitativo com consumidores das cinco regiões do Brasil utilizando questionário baseado na TCP a respeito da intenção do consumo de carne vermelha e influência da pandemia de COVID-19 no consumo; na segunda etapa será realizado um estudo transversal quantitativo com consumidores das cinco regiões do Brasil utilizando questionário baseado na TCP a respeito de comportamentos de segurança dos alimentos, influência da pandemia de COVID-19 na realização desses comportamentos e conhecimentos gerais de consumidores sobre segurança dos alimentos; por fim, na terceira etapa será realizada avaliação microbiológica a partir da quantificação de E. coli, estafilococos coagulase positiva, aeróbios mesófilos e pesquisa de Salmonella spp. em amostras de carnes bovinas moídas comercializadas em açougues do município de Pelotas, RS. Também será investigado se existe correlação entre o conhecimento dos consumidores de Pelotas, RS, sobre segurança e a qualidade microbiológica das amostras. Ao final do estudo espera-se identificar e compreender a influência dos preditores da TCP na intenção de realização do consumo de carne vermelha e na intenção de realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores.

Objetivo Geral

O objetivo deste estudo é investigar, com base na Teoria do Comportamento Planejado (TCP), os determinantes que influenciam a intenção de consumo de carne vermelha, assim como a realização de comportamentos de segurança dos alimentos dos consumidores ao manipular alimentos em residências no Brasil. Ademais, será investigado o conhecimento sobre segurança dos alimentos dos consumidores, a influência da pandemia causada pelo coronavírus (SARSCoV-19) frente ao consumo de carne vermelha e realização de comportamentos de segurança dos alimentos, e a qualidade microbiológica de carnes bovinas moídas comercializadas em açougues, utilizando como modelo a cidade de Pelotas, RS.

Justificativa

Entender os fatores que influenciam a intenção de comportamentos dos consumidores é essencial para desenvolver intervenções, modular mensagens que atendam aos valores do consumidor e que sejam mais efetivas em promover a realização adequada desses comportamentos. Sendo assim, entender o que influencia a intenção de consumo de carne vermelha possuí grandes implicações para moldar mensagens e produtos que atendam a expectativa do consumidor. Ademais, entender o que influencia a intenção da realização de comportamentos de segurança dos alimentos é fundamental para a elaboração de intervenções que possam ser mais efetivas na promoção a saúde dos consumidores. Principalmente levando em consideração o papel de destaque das residências como local de ocorrência de DTA, sendo responsável por 37,3% de ocorrência dos surtos (BRASIL, 2020).
Apesar da TCP ser utilizada para investigar os fatores que influenciam a intenção de comportamentos de consumidores, de acordo com Hassan et al. (2016) e Young et al. (2017), existe uma falta de representatividade global de pesquisas nessa área. Além disso, também foi apontado que pesquisas futuras necessitam examinar as diferenças dentro dos países, entre suas regiões e/ou subculturas diferentes. Esse será o primeiro estudo no Brasil a utilizar a TCP para investigar os determinantes que influenciam a intenção de consumo de carne vermelha e a realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores ao manipular alimentos em residências no Brasil, e se existe diferença nos determinantes que influenciam a intenção entre os consumidores das cinco as regiões do país.
Também se verificará se o cenário de pandemia de COVID-19 teve influência nos comportamentos estudados. Tendo em vista a queda de 14% do consumo de carne bovina pelo brasileiro em relação ao ano de 2019, antes da pandemia (MANO, 2019), e a importância do comércio e consumo de carnes para o Brasil, há uma necessidade emergente de estudos que avaliem os impactos no comportamento de consumidores de carne vermelha e que investiguem a influência de mensagens positivas e negativas, incluindo notícias falsas (fake news), na percepção desses consumidores estabelecendo uma relação com o contexto atual e correlacionando ainda com outros resultados obtidos por outros projetos.

Metodologia

Para a execução da metodologia o estudo será dividido em três etapas. Na primeira etapa será realizado um estudo transversal quantitativo com consumidores das cinco regiões do Brasil (Sul, Sudeste, Centro-oeste, Norte e Nordeste) a respeito da intenção do consumo de carne vermelha. Na segunda etapa será realizado um estudo transversal quantitativo com consumidores das cinco regiões do Brasil (Sul, Sudeste, Centro-oeste, Norte e Nordeste) a respeito de comportamentos de segurança dos alimentos. Na terceira etapa será realizada avaliação microbiológica de carnes bovinas moídas comercializadas em açougues do município de Pelotas, RS.
1ª etapa: Intenção de consumo de carne vermelha por consumidores do Brasil
Coleta de dados
Na primeira etapa do estudo será realizado um estudo transversal quantitativo a respeito da intenção do consumo de carne vermelha. A pesquisa será realizada com consumidores de alimentos das 5 regiões do Brasil: Sul, Sudeste, Centro-oeste, Norte e Nordeste, a partir de um questionário autoaplicável baseado na TCP, de forma online, por meio de formulários do Google Forms®. A pesquisa será realizada por amostra de conveniência de cada região do Brasil. Será feito contato com diferentes universidades de cada região para solicitar a participação de pessoas que queiram contribuir como pesquisadores voluntários redistribuindo os questionários online em sua região. Listas de e-mail e sites de redes sociais serão utilizados pelos pesquisadores para abordar os consumidores, os convidando a participar da pesquisa para responder o questionário e os incentivando a espalhar a pesquisa entre os conhecidos, afim de aumentar a diversidade do estudo. Com a colaboração de pesquisadores voluntários, estima-se que a participação de aproximadamente 200 consumidores de cada região do país será suficiente para a amostragem de entrevistas, totalizando em torno de 1000 formulários respondidos (HASSAN et al., 2016; HOESKMA et al., 2017; MULLAN et al., 2015; SHAPIRO et al., 2011; YOUNG et al., 2017). Menores de 18 anos serão excluídos do estudo.
2ª etapa: Intenção de realização de comportamentos de segurança por alimentos por consumidores do Brasil
Coleta de dados
Na segunda etapa do estudo, para investigar a intenção de realização de comportamentos de segurança de alimentos por consumidores ao preparar alimentos em casa, também será realizado um estudo transversal quantitativo. A pesquisa será realizada com consumidores das 5 regiões do Brasil: Sul, Sudeste, Centro-oeste, Norte e Nordeste, a partir de um questionário autoaplicável baseado na TCP, de forma online, por meio de formulários do Google Forms®. A pesquisa será realizada por amostra de conveniência de cada região do Brasil. Será feito contato com diferentes universidades de cada região para solicitar a participação de pessoas que queiram contribuir como pesquisadores voluntários redistribuindo os questionários online em sua região. Listas de e-mail e sites de redes sociais serão utilizados pelos pesquisadores para abordar os consumidores, os convidando a participar da pesquisa respondendo o questionário e os incentivando a espalhar a pesquisa entre os conhecidos, afim de aumentar a diversidade do estudo. Com a colaboração de pesquisadores voluntários, estima-se que a participação de aproximadamente 200 consumidores de cada região do país será suficiente para a amostragem de entrevistas, totalizando em torno de 1000 formulários respondidos (HASSAN et al., 2016; HOESKMA et al., 2017; MULLAN et al., 2015; SHAPIRO et al., 2011; YOUNG et al., 2017). Menores de 18 anos serão excluídos do estudo. O critério de inclusão nessa etapa do estudo será: pessoas que manipulam alimentos em casa pelo menos 2 vezes na semana e serem maiores de 18 anos.
3ª etapa: Análise microbiológica
Na terceira etapa do estudo será realizada análise microbiológica de carnes bovinas moídas comercializadas em açougues do município de Pelotas, Rio Grande do Sul. Considerando que não há um registro obrigatório de açougues pelo órgão de Vigilância Sanitária do Município, realizou-se uma pesquisa para encontrar o número total de açougues da cidade de Pelotas. No site de busca Google foram encontrados 155 resultados correspondentes, após leitura dos endereços de cada açougue encontrados na pesquisa, foram excluídos três estabelecimentos que se encontravam com aviso de fechado temporariamente, cinco estabelecimentos com endereços incompletos e cinco estabelecimentos que se localizavam em outros municípios, totalizando 142 açougues.
Entre esses, serão selecionados aleatoriamente 36 açougues, representando 25% dos estabelecimentos do munícipio de Pelotas. Serão coletadas duas amostras de carne bovina moída de segunda de cada açougue, em diferentes períodos do ano, simulando uma situação de compra real. As amostras serão devidamente identificadas e transportadas em caixa isotérmica com gelo imediatamente após a coleta até o Laboratório de Microbiologia de Alimentos da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) para a quantificação de E. coli, estafilococos coagulase positiva, mesófilos aeróbios e presença de Salmonella spp. As análises microbiológicas serão realizadas de acordo com a metodologia recomendada pelo Bacteriological Analytical Manual (FDA, 2001) e os resultados das análises serão avaliados utilizando o padrão microbiológico para o grupo de alimentos “carne bovina, suína e outras” e categoria específica “carne moída, produtos cárneos crus moldados, temperados ou não, refrigerados ou congelados” da Instrução Normativa nº60, de 23 de dezembro de 2019 (BRASIL, 2019b).

Indicadores, Metas e Resultados

Ao final deste estudo espera-se identificar e compreender:
- A influência dos preditores da TCP na intenção de consumo de carne vermelha por consumidores do Brasil e as características pessoais/determinantes individuais que influenciam na intenção e frequência de consumo de carnes por consumidores do Brasil;
- A influência dos preditores da TCP na intenção de realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores do Brasil quando manipulando alimentos em casa e as características pessoais/determinantes individuais que influenciam na intenção de realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores do Brasil quando manipulando alimentos em suas residências;
- O impacto da pandemia de COVID-19 no consumo de carne vermelha e na realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores;
- Diferenças regionais na intenção de consumo de carne vermelha e realização de comportamentos de segurança dos alimentos por consumidores;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINE PEREIRA DAS NEVES
ELIEZER AVILA GANDRA4
GABRIELA GARCIA DOS SANTOS
JOZI FAGUNDES DE MELLO3
KELLY LAMEIRO RODRIGUES3
TATIANE KUKA VALENTE GANDRA3

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPES / Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível SuperiorR$ 4.000,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339030 - Material de ConsumoR$ 4.000,00

Página gerada em 02/07/2022 11:31:22 (atualização a cada 5 minutos)