Nome da Disciplina
INVENTÁRIOS DE FAUNA: ASPEC. TEOR. E ANAL.
CÓDIGO
09050058
Carga Horária
60 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
4
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
2
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A disciplina aborda os principais objetivos dos inventários de fauna. Foca nas técnicas e aspectos teóricos de delineamento amostral, amostragem e diversidade e na coleta, armazenamento, tratamento e organização dos dados para análises faunísticas. Evidencia a aplicação dos resultados visando a conservação, pesquisa científica e diagnóstico ambiental.

Objetivos

Objetivo Geral:

Habilitar o aluno dos Cursos de Ciências Biológicas da UFPel a desenvolver amostragens e delineamento experimental de campo corretamente; capacitá-lo para uma organização adequada de dados biológicos para posterior avaliação da diversidade através de procedimentos estatísticos adequados; fornecer subsídios para avaliações e interpretações sobre medidas de diversidade, noções gerais de amostragem e teoria sobre diversidade biológica.

Conteúdo Programático

- Revisão sobre parâmetros de diversidade alfa e beta.
- Inventários da fauna: métodos, objetivos e aplicações.
- Noções sobre teoria de amostragem.
- Importância das hipóteses, objetivos, metodologia de análise e interpretação de dados voltados aos inventários de fauna.
- Medidas de alfa e beta diversidade.
- Índices de diversidade, equabilidade, dominância, ANOVA.
- Estimadores de riqueza, rarefação baseada em amostras.
- Rarefação baseada em indivíduos, distribuição de abundância de espécies, similaridade (agrupamento, ordenação), Análise de Correspondência, ANOSIM, SIMPER.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • BEGON, M.; TOWNSEND, C., HARPER, J. 2007. Ecologia: De Indivíduos a Ecossistemas. Artmed.
  • BROSE, U.; MARTINEZ, N. D. 2004. Estimating the Richness of Species with Variable Mobility. Oikos 105: 292-300.
  • COLWELL, R. K. 2006. EstimateS 9.0 – Statistical Estimation of Species Richness and Shared Species from Samples, Programa disponível gratuitamente em http://viceroy.eeb.uconn.edu/estimates
  • CULLEN JR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. 2006. Métodos de Estudo em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Editora Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 651p.
  • FONSECA, G. A. B. 2001. Proposta para um Programa de Avaliação Rápida em Âmbito Nacional. In: Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas Tropicais. GARAY, I. & B. DIAS. Vozes, Rio de Janeiro.
  • GANHO, N. G.; MARINONI, R. C. 2005. A Diversidade Inventarial de Coleoptera (Insecta) em uma Paisagem Antropizada do Bioma Araucária. Revista Brasileira de Entomologia 49(4): 535-543.
  • GASTON, K. J. (Ed.) 1996. Biodiversity. A Biology of Numbers and Difference. Blackwell Science Ltd, Oxford. 396p.
  • HALFFTER, G.; MORENO, C. E.; PINEDA, E. O. 2001. Manual para Evaluación de la Biodiversidad en Reservas de la Biosfera. M&T – Manuales y Tesis SEA, vol. 2, Zaragoza.
  • HAMMER, O.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. 2001. PAST 2.12 – Palaeontological Statistics, Programa disponível gratuitamente em http://folk.uio.no/ohammer/past
  • HILL, D.; FASHAM, M.; TUCKER, G.; SHEWRY, M.; SHAW, P. Handbook of Biodiversity Methods – Survey, Evaluation and Monitoring. Cambridge University Press, New York. 573p.
  • KING, J. R.; PORTER, S. D. 2005. Evaluation of Sampling Methods and Species Richness Estimators for Ants in Upland Ecosystems in Florida. Environmental Entomology 34(6): 1566-1578.
  • KREBS, C. J. 1989. Ecological Methodology. Harper & Row Publ., Nova York. 653p.
  • LEWINSOHN, T. M.; PRADO, P. I. 2002. Biodiversidade Brasileira: Síntese do Estado Atual do Conhecimento. Contexto Acadêmica, São Paulo. 176p.
  • MAGURRAN, A. E. 2004. Measuring Biological Diversity. Blackwell Publishing, Oxford. VIII + 256p.
  • MAGURRAN, A. E.; McGILL, B. J. 2011. Biological Diversity: Frontiers in Measurement and Assessment. Oxford University Press, Oxford, pp. 1-10.
  • MELO, A. S.; PEREIRA, R. A. S.; SANTOS, A. J.; SHEPHERD, G. J.; MACHADO, G.; MEDEIROS, H. F.; SAWAYA, R. J. 2003. Comparing Species Richness Among Assemblages Using Sample Units: Why Not Use Extrapolation Methods to Standardize Different Sample Sizes? Oikos 101: 398-410.
  • MORA, C.; TITTENSOR, D. P.; SIMPSON, A. G. B.; WORM, B. 2011. How Many Species Are There on Earth and in the Ocean? PLoS Biology, 9 (8) 1001127 www.plosbiology.org
  • MORENO, C. E. 2001. Métodos para Medir La Biodiversidad. M&T – Manuales y Tesis SEA, vol. 1, Zaragoza.
  • O’HARA, R. B. 2005. Species Richness Estimators: How Many Species can Dance on the Head of a Pin? Journal of Animal Ecology 74: 375-386.
  • PRICE, P. W.; DINIZ, I. R.; MORAIS, H. C.; MARQUES, E. S. A. 1995. The Abundance of Insect Herbivore Species in the Tropics: the High Local Richness of Rare Species. Biotropica 27: 468-478.
  • STORCH, D.; MARQUET, P. A.; BROWN, J. H. 2007. Scalling Biodiversity (Ecological Reviews). Cambridge University Press, New York. 470p.
  • UNEP (United Nations Environment Programme). 1995. Global Biodiversity Assessment.
  • WALTHER, B. A.; MOORE, J. L. 2005. The Concepts of Bias, Precision and Accuracy, and their Use in Testing the Performance of Species Richness Estimators, with a Literature Review of Estimator Performance. Ecography 28: 815-829.
  • WILSON, E. O. (ed.). 1997. Biodiversidade. Nova Fronteira, Rio de Janeiro. 657p.
  • WOLDA, H. 1981. Similarity Indices, Sample Size and Diversity. Oecologia 50: 296-302.
  • YOUNÉS, T. 2001. Ciência da Biodiversidade: Questões e Desafios. In: Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas Tropicais. GARAY, I.; DIAS, B. Vozes, Rio de Janeiro.

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
INVENTÁRIOS DE FAUNA: ASPEC. TEOR. E ANAL. Ciências Biológicas (Bacharelado)
INVENTÁRIOS DE FAUNA: ASPEC. TEOR. E ANAL. Ciências Biológicas (Licenciatura)

Página gerada em 14/11/2019 12:07:08 (consulta levou 0.152529s)