Nome do Projeto
Arqueologia, Educação Patrimonial e História Indígena em Pelotas
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
06/03/2017 - 04/03/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Cultura / Meio ambiente
Linha de Extensão
Patrimônio cultural, histórico e natural
Resumo
O projeto Arqueologia, Educação Patrimonial e História Indígena em Pelotas é uma atividade de extensão do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas (LEPAARQ-UFPEL). Busca a socialização do conhecimento gerado pelas pesquisas arqueológicas sobre as populações indígenas que habitaram a região do bioma Pampa. As ações de extensão são Exposições Temporárias, Oficinas de educação patrimonial, palestras e reuniões nas diferentes esferas sociais, em especial, em associações de bairro e escolas onde se encontram contextos arqueológicos.

Objetivo Geral

Este projeto tem como objetivo central promover debates e discussões junto à sociedade pelotense, em diferentes esferas sociais, sobre a História de grupos indígenas que habitaram a região pampiana desde o período pré-colonial. Atuaremos junto a escolas públicas e privadas, associações de bairro, Organizações Não-Governamentais (ONG), Prefeitura Municipal de Pelotas entre outras instituições interessadas nessas discussões. Além de promover debates sobre a história indígena regional, buscaremos divulgar o patrimônio arqueológico pré-colonial situado em Pelotas, no intuito de que, através da ampla informação, os sujeitos sociais se sintam identificados com o patrimônio arqueológico e contribuam com a preservação dos sítios arqueológicos. Esse projeto servirá também como um meio para divulgação das pesquisas arqueológicas desenvolvidas pelo Laboratório de Ensino e Pesquisa em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas (LEPAARQ-UFPEL), sendo, portanto, uma forma de extensão da UFPEL. Do ponto de vista teórico, a pesquisa irá trilhar os caminhos da arqueologia pública e da educação patrimonial, integrando-se etnografias e atividades expositivas (Exposições Temporárias, Oficinas de educação patrimonial, palestras e reuniões nas diferentes esferas sociais, em especial, associações de bairro e escolas onde se encontram contextos arqueológicos). Esse projeto se justifica pela necessidade de que o conhecimento científico produzido na Universidade extrapole os muros universitários, alcançando a sociedade como um todo. Somente com o conhecimento generalizado sobre o patrimônio arqueológico regional poderemos atender as demandas de preservação dos sítios arqueológicos.

Justificativa

Este projeto se justifica pela necessidade de que o conhecimento científico produzido na Universidade extrapole os muros, alcançando a sociedade como um todo. Somente com o conhecimento generalizado sobre o patrimônio arqueológico regional poderemos atender as demandas de preservação dos sítios arqueológicos, como é o caso, por exemplo, da região do banhado do Pontal da Barra, onde foi identificado um contexto com 18 sítios arqueológicos conhecidos como cerritos. Esses cerritos, os quais, juntamente com o próprio banhado tem tido sua integridade ameaçada em função de empreendimentos imobiliários. É preciso, nesse caso, que os diferentes sujeitos da comunidade, envolvidos em coletivos e representações políticas, discutam sobre os empreendimentos, o impacto social e patrimonial de sua efetivação e sobre as melhores soluções. Através de etnografias e registros orais com os sujeitos da comunidade iremos diagnosticar as distintas visões dos sujeitos sociais com relação aos vestígios da história indígena regional.

Metodologia

O projeto será desenvolvido através de Exposições Temporárias, Oficinas de educação patrimonial, palestras e reuniões nas diferentes esferas sociais, em especial, associações de bairro e escolas onde se encontram contextos arqueológicos. Além disso, realizaremos atividades etnográficas junto às comunidades afetadas por empreendimentos imobiliários onde se encontram contextos arqueológicos pré-coloniais para entender a visão dos sujeitos sobre o patrimônio local e regional.

Indicadores, Metas e Resultados

1. Promover debates junto à comunidade sobre a história indígena regional, atentando-se aos processos de ocupação regional pré-colonial;
2. Divulgar o conhecimento científico para publicizar as pesquisas arqueológicas realizadas pela UFPEL na região de Pelotas, a fim de sensibilizar a comunidade para a preservação do patrimônio arqueológico indígena;
3. Participação em ações comunitárias junto a escolas, associações de bairro e outras representações formais e não formais no município de Pelotas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BRUNO LEONARDO RICARDO RIBEIRO
BRUNO SANTOS NOGUEZ
CAROLINA KESSER BARCELLOS DIAS
CAROLINE ARAÚJO PIRES
CAROLINE BORGES
CRISTIANO MEIRELLES
FABIO VERGARA CERQUEIRA3
JORGE EREMITES DE OLIVEIRA1
JORGE LUIZ DE OLIVEIRA VIANA2
LUCIANA DA SILVA PEIXOTO2
RAFAEL CORTELETTI6
RAFAEL GUEDES MILHEIRA8
TAMARA OLIVEIRA SILVA
VICTÓRIA FERREIRA ULGUIM

Página gerada em 14/11/2019 17:22:04 (consulta levou 0.109950s)