Nome do Projeto
Práticas integrativas e complementares na rede de atenção em saúde
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
28/04/2017 - 28/03/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Educação
Linha de Extensão
Saúde humana
Resumo
Realizar práticas integrativas e complementares no ambulatório aos indivíduos e familiares/cuidadores vinculados ao Serviço de Atenção Domiciliar (SAD). Este projeto de extensão tem previsão de desenvolver as ações no período de quatro anos, até março de 2021, com usuários e cuidadores/familiares que frequentam o ambulatório do SAD. As ações estão voltadas as práticas integrativas e complementares: plantas medicinais, meditação, Reiki, auriculoterapia, acupuntura e prática de Lian Gong.

Objetivo Geral

Realizar práticas integrativas e complementares no ambulatório aos indivíduos/usuários e familiares/cuidadores vinculados ao Serviço de Atenção Domiciliar

Justificativa

Em virtude da crescente demanda da população brasileira pela busca das práticas integrativas e complementares, ressalta-se a relevância da oferta destas atividades junto ao ambulatório do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD). O SAD está vinculado ao HE/UFPel/EBSERH, sendo constituído pelo Programa de Internação Domiciliar Interdisciplinar (PIDI) Oncológico e o Programa Melhor em Casa (PMC). Em 2006, com a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), pela portaria nº 971 de Em virtude da crescente demanda da população brasileira pela busca das práticas integrativas e complementares, ressalta-se a relevância da oferta destas atividades junto ao ambulatório do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD). O SAD está vinculado ao HE/UFPel/EBSERH, sendo constituído pelo Programa de Internação Domiciliar Interdisciplinar (PIDI) Oncológico e o Programa Melhor em Casa (PMC). Em 2006, com a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), pela portaria nº 971 de 2006, a homeopatia, as plantas medicinais e fitoterápicas, a medicina tradicional chinesa/acupuntura, a medicina antroposófica e o termalismo social-crenoterapia foram institucionalizados no Sistema Único de Saúde (SUS). As práticas integrativas e complementares foram ampliadas no SUS, pela portaria nº 849, de 27 de março de 2017, incluindo arteterapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa e yoga.
Esta proposta extensionista propõe-se a promover a institucionalização destas práticas no SUS, sendo resultado de discussões realizadas desde 2015 para implementação do ambulatório do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), e da disciplina optativa “Terapias complementares com ênfase em plantas medicinais”, além do curso de extensão “Plantas medicinais no cuidado à saúde”, ofertados pela Faculdade de Enfermagem da UFPel. Soma-se a discussão desta proposta, os resultados do Projeto de Extensão “Um olhar sobre o cuidador familiar: quem cuida merece ser cuidado”, no qual cuidadores são acompanhados semanalmente, e identifica-se que muitos destes estão com sobrecarga física e emocional. Deste modo, tais práticas poderiam ajudar na melhoria da qualidade de vida dos mesmos.
Além disso, a oferta destas práticas por meio de ações extensionistas, permite que acadêmicos se aproximem de algumas que só podem ser realizadas por profissionais capacitados, e executem outras permitidas, atendendo as premissas do Ministério da Saúde de despertar o interesse para a formação.

Metodologia

No decorrer do projeto de extensão ocorrerão atividades ofertadas tanto na modalidade de oficinas e práticas em grupo, quanto atendimentos individuais para as pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório do Serviço de Atenção Domiciliar.
As oficinas serão semanais, sobre preparações com plantas medicinais, práticas de cuidado à saúde, além de atividades práticas no horto de plantas medicinais.
Das práticas em grupo, será ofertado o Lian Gong para grupos de no máximo 15 pessoas. Os atendimentos individuais serão de acupuntura, auriculoterapia e reiki.

Indicadores, Metas e Resultados

AÇÃO 1: Oficinais de preparação e utilização de plantas medicinais no cuidado à saúde
META 1: Esclarecer dúvidas e trocar informações por meio das oficinais de preparação e utilização de plantas medicinais no cuidado à saúde de aproximadamente 30% das pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD).
INDICADOR 1: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD e participaram das oficinais de preparação e plantas medicinais no cuidado à saúde.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram das oficinas de preparações com plantas medicinais.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 1: almeja-se que por meio das oficinais que os participantes façam a utilização segura das plantas medicinais no cuidado à saúde.
AÇÃO 2: Oficinas no Horto de Plantas Medicinais
META 2: Esclarecer dúvidas e trocar informações sobre as plantas medicinais cultivadas no horto do ambulatório do SAD de aproximadamente 30% das pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam serviço.
INDICADOR 2: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD e participaram das oficinais das plantas medicinais cultivadas no horto do ambulatório do SAD.
Numerador: Número de participantes nas oficinas no horto do ambulatório do SAD que tiveram suas dúvidas esclarecidos.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 2: almeja-se que por meio das oficinais os participantes reconheçam as plantas medicinais, visando a utilização segura no cuidado à saúde.
AÇÃO 3: Acupuntura e auriculoterapia em cuidadores e pacientes vinculados a SAD.
META 3: Melhorar a qualidade de vida de 30% de cuidadores e pacientes.
INDICADOR 3: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD acessaram o atendimento de acupuntura e auriculoterapia.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que acessaram o atendimento de acupuntura e auriculoterapia.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 3: almeja-se que por meio do atendimento de acupuntura e auriculoterapia os cuidadores e pacientes que acessaram melhorem a qualidade de vida, com alívio de sobrecarga emocional e física para cuidadores, e alívio nos sintomas físicos e emocionais dos pacientes.
AÇÃO 4: Prática de Lian Gong em cuidadores e pacientes vinculados a SAD.
META 4: Melhorar a qualidade de vida de 30% de cuidadores e pacientes.
INDICADOR 4: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD e participaram das práticas de Lian Gong.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram das práticas de Lian Gong.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 4: almeja-se que por meio da oferta de práticas de Lian Gong, os cuidadores e pacientes que participaram melhorem a qualidade de vida, com alívio de sobrecarga emocional e física para cuidadores, e alívio nos sintomas físicos e emocionais dos pacientes.
AÇÃO 5: Aplicação de Reiki no ambulatório por meio do toque terapêutico aos indivíduos e familiares vinculados ao SAD.
META 5: Realizar o toque terapêutico por meio do Reiki com usuários (pacientes) e familiares vinculados aos SAD.
INDICADOR 5: Proporção de usuários (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD e participaram da aplicação do Reiki.
Numerador: número de usuários (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram da aplicação do Reiki
Denominador: número de usuários (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 5: espera-se que a aplicação do Reiki traga como benefício o reestabelecimento do equilíbrio físico, psíquico e espiritual, principalmente a diminuição da ansiedade, dores, estresse, melhora da imunidade, diminuição dos níveis arteriais pressóricos, entre outros.
AÇÃO 6: Oficinas de práticas de cuidado à saúde com os familiares/cuidadores e pacientes vinculados ao SAD.
META 6: Promover espaço para discussão das práticas de cuidado aos pacientes e familiares/cuidadores.
INDICADOR 6: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD e participaram das oficinas.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram das oficinas.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 6: Espera-se que as oficinais proporcionem aos participantes momentos práticos e reflexivos de troca de informações sobre o cuidado à saúde, possibilitando a construção coletiva de ações que visem uma melhor qualidade de vida aos envolvidos, bem como o alívio da provável tensão do papel de cuidador.
AÇÃO 7: Prática de meditação no ambulatório da SAD para familiares e usuários.
META 7: Promover a prática da meditação para familiares e usuários vinculados ao SAD como estratégia para promoção, manutenção e recuperação da saúde.
INDICADOR 7: Proporção de familiares/cuidadores e usuários que utilizam o ambulatório do SAD e participaram das práticas de meditação.
Numerador: número de familiares/cuidadores e usuários que utilizam o ambulatório do SAD e que participaram das práticas de meditação.
Denominador: número de familiares/cuidadores e usuários que utilizam o ambulatório do SAD.
RESULTADO ESPERADO 7: almeja-se que a prática da meditação seja uma ferramenta da promoção, manutenção e recuperação da saúde para os familiares/cuidadores e usuários.
AÇÃO 8: Aplicação do questionário de qualidade de vida-SF-36 em cuidadores e pacientes vinculados ao SAD que participarem de atendimentos individuais das práticas integrativas.
A aplicação do questionário de qualidade de vida-SF-36 será em cuidadores e pacientes que participam de atendimentos individuais das práticas integrativas e complementares. O questionário será aplicado em cada atendimento, possibilitando futuras comparações e verificações do impacto da ação na qualidade de vida do ser cuidado.
Frequência: em cada atendimento individual que o indivíduo acessar.
Previsão: 2.000 atendimentos.
Relevância para sociedade:
Impactos científicos: Construção e execução de projetos de pesquisa (iniciação científica, trabalho de conclusão de curso, dissertações e teses) que investiguem questões relacionadas ao impacto na qualidade de vida das pessoas que acessaram as práticas integrativas fornecidas em atendimento individual, no contexto do ambulatório do SAD.
Impactos econômicos: Possibilidade de redução do consumo de medicamentos alopáticos nos cuidados em saúde devido a melhoria na qualidade de vida ocasionada pelas práticas integrativas.
Impactos sociais: Melhoria na qualidade de vida de cuidadores e pacientes que estão sendo cuidados no domicílio.
Objetivos específicos: aplicar o questionário de qualidade de vida-SF-36 nos cuidadores e pacientes que acessarem o atendimento individual das práticas integrativas.
META 8: Verificar a melhoria da qualidade de vida de 30% de cuidadores e pacientes que acessarem o atendimento individual das práticas integrativas.
INDICADOR 8: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD que acessaram o atendimento individual das práticas integrativas.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que que acessarem o atendimento individual das práticas integrativas.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam o ambulatório o SAD.
RESULTADO ESPERADO 8: almeja-se medir o impacto na qualidade de vida de pessoas que acessarem as práticas integrativas ofertadas em atendimento individual.
META 9: Promover a prática da arteterapia para usuários e familiares vinculados a Unidade Cuidativa como estratégia para promoção, manutenção e recuperação da saúde.
INDICADOR 9: Proporção de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam a Unidade Cuidativa e participaram das oficinas.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram das oficinas de arteterapia.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam a Unidade Cuidativa.
RESULTADO ESPERADO 9: Espera-se que as oficinais proporcionem aos participantes momentos práticos e reflexivos de troca de informações sobre o cuidado à saúde, possibilitando a construção coletiva de ações que visem uma melhor qualidade de vida aos envolvidos, bem como o alívio da provável tensão do papel de cuidador.
META 10: Realizar encontros/oficinas com grupos de usuários da Unidade Cuidativa para compartilhar conhecimentos sobre benefícios do trabalho com plantas hortícolas como forma de terapia alternativa associada a produção de alimentos e plantas ornamentais para ajardimanento.
INDICADOR 10: Número de grupos de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam a Unidade Cuidativa e participaram das encontros/oficinas.
Numerador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que participaram dos encontros/oficinas.
Denominador: número de pessoas (pacientes) e familiares/cuidadores que utilizam a Unidade Cuidativa e que participaram dos encontros/oficinas.
RESULTADO ESPERADO 10: Proporcionar aos participantes momentos práticos sobre o cultivo e uso de espécies hortícolas alimentares e ornamentais, possibilitando a melhoria da qualidade de vida por meio da construção do conhecimento de práticas de cultivo e uso de plantas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIZE RUTZ PORTO2
ANDREZZA DAIPRAI
ANGELA SABRINA DA SILVA VILELA
BEATRIZ HELENA MENDES DA SILVA
CAMILA TIMM BONOW
CARLA ROSSANA GRIGOLLETTI MONTONE
CLÁUDIA MARIA BRAZIL GERVINI
DEJANIRA PINHEIRO DE OLIVEIRA
DIANA CECAGNO
EDSON ELIZEU ESCHEVANI TAKEHISA
ELIANA BUSS
ELISANGELA DE LEMOS RODRIGUES
GABRIEL OSCAR RIBEIRO MACHADO
GABRIEL REGIS LINO
GABRIELA LOBATO DE SOUZA
INAJARA MIRAPALHETE CANIELES
ISABEL CRISTINA DE OLIVEIRA ARRIEIRA
JANAINA CHAGAS DOS SANTOS
JANAINA DO COUTO MINUTO
JULIANA GRACIELA VESTENA ZILLMER2
JULIETA MARIA CARRICONDE FRIPP2
LAURA MARIANA FRAGA MERCALI
LILIAN MUNHOZ FIGUEIREDO
LUANI BURKERT LOPES
LUCIMAR FERREIRA BARBOSA
LUÍZA DECKER LOURO
MAIRA BUSS THOFEHRN
MARCELA POLINO GOMES
MARCIA VAZ RIBEIRO
MARTINA DIAS DA ROSA MARTINS
MILENA QUADRO NUNES
NATÁLIA FERREIRA MAYA
PAULO ROBERTO GROLLI
RITA MARIA HECK8
ROBERTA ARAUJO FONSECA
STEFANIE GRIEBELER OLIVEIRA12
TEILA CEOLIN12
VALMOR JOAO BIANCHI
VANESSA CAETANO DE SOUZA
VANIA DIAS CRUZ
ZÉA LUANACARDOZO DE CARDOZO VIEIRA

Página gerada em 19/11/2019 08:54:21 (consulta levou 0.142711s)