Nome do Curso / Conceitos (*)
Teatro
Nível / Grau
GRADUAÇÃO / Licenciatura
Modalidade
Presencial
Turno
INTEGRAL
Código UFPel
8000
Código e-MEC
1500806
Unidade
Coordenador
A0L1L2L5L6L9L10L13L14Total
SISU 2021/18222216
Criação e Reconhecimento
Curso criado pela Resolução nº 17 de 11 de outubro 2019.

Contextualização

A história do teatro em Pelotas possui registro desde 1831. No entanto, é possível que a “Sociedade Scênica”, fundadora do Theatro Sete de Abril (um dos teatros mais antigos do Brasil, infelizmente fechado há nove anos) tenha se organizado e atuado desde o período do Primeiro Império. Essa afirmação é possível se considerarmos que, em 1831, foi criado o grupo estudantil na Sociedade Patriótica dos Jovens Brasileiros que agrupava estudantes interessados no exercício da atividade cênica. Esse fato ilustra a importância da escola como polo fomentador da prática teatral no município. Na cidade, o espaço escolar se efetivou ao longo dos anos como promotor basilar deste saber.
A universidade como centro gerador, produtor e divulgador da cultura local e regional é também responsável por um processo educativo cultural e científico que articula o ensino, a pesquisa e a extensão de forma indissociável, viabilizando uma relação transformadora entre a universidade e a sociedade.
Esta concepção propõe uma relação mais interativa entre a universidade e a sociedade, de modo que haja um fluxo entre o conhecimento acadêmico e o popular com a finalidade de produção de novos saberes. Oficialmente, é a partir da “Sociedade Scênica” que dá início à vultosa produção teatral local: em 15 de novembro de 1846, surge o Apostolado da Catedral; em 1861, o ator Antonio José Áreas organiza uma companhia dramática; no dia 3 de janeiro de 1892, é fundado o Grupo Dramático do Clube Caixeiral para proporcionar mais atrativos às festas sociais, ao mesmo tempo em que exaltava a inclinação artística das famílias pelotenses.
Entre as centenas de companhias líricas, trupes e operetas internacionais e nacionais que por aqui passaram, a companhia do português Francisco Santos instala-se na cidade. Suas turnês de comédias e contos populares vieram contribuir com o patrimônio cultural de Pelotas, motivando a construção de espaços para a prática teatral, entre eles: os teatros Apolo, Coliseu e Guarany, em 1920, e o Theatro Avenida, em 1927. Neste período surgem também grupos como o Corpo Cênico do Colégio Gonzaga, que atuou de 1929 a 1954.
Calcula-se em aproximadamente 114 as companhias e grupos que produziram trabalhos no encalço da história do município, até o presente. Esses dados são inferidos pelo rastreio de seus nomes e prováveis datas de fundação registrada. Contudo, esta projeção não contempla parte das companhias de épocas anteriores e alguns grupos comunitários e estudantis. Sem dúvida, é difícil precisar o número de atores/trabalhadores do teatro que forjaram e os que ainda tecem a história do teatro de Pelotas: nas décadas de 60 a 70, houve o festival organizado pela Sociedade Pelotense de Teatro; entre os anos 80 e 90, foram realizados 12 Festivais de Teatro de Pelotas promovidos pela Fundapel, ASA Teatro e Conesul; na primeira década de 2000, foram registradas 11 Mostras de Artes Cênicas no Teatro COP, Festivais Estudantis de Esquetes Teatrais, Festivais de Teatro Estudantil do COP, além de outros Festivais e Mostras Estaduais em Pelotas e região.
A partir da década de 80, em bairros, ruas, galerias, feiras e salas, surgiram novos espaços de criação e atuação da arte teatral. Foi um momento de grande efervescência da produção cênica local, constituindo-se o eixo propulsor de cultura e de produção artística de toda a comunidade de Pelotas e da região. Neste período foi intensa também a participação do Núcleo de Teatro da UFPel, criado em 1995, formado por professores, funcionários e alunos da instituição. O Projeto Teatro Universitário foi criado a fim de fomentar as atividades de extensão com alunos e professores do Instituto de Letras e Artes. O Núcleo de Teatro da UFPel surgiu para intensificar a interlocução com a comunidade e com instâncias culturais e educacionais do município e região, atendendo inúmeras solicitações de oficinas, tanto para professores como para alunos da rede Escolar do município.
A UFPel tomou parte ativa nos festivais das décadas de 80 e 90, participando com grupos formados pela comunidade universitária, tais como: o Grupo de Teatro Visconde da Graça, o Grupo Teatro Universitário e o Grupo J L Nova Cruz.
Nos anos 2000, a UFPel contribuiu efetivamente com o ensino e aprendizagem de arte nas escolas, principalmente por meio do então chamado Instituto de Artes e Design, da Faculdade de Letras e do Conservatório de Música. Entretanto, a formação teatral em Pelotas acontecia em espaços adaptados, isolados e de pouca visibilidade. Os raros espaços disponíveis na cidade e na região para se aprender teatro pertenciam a instituições particulares e, por isso, eram pagos. Os grupos se organizavam em associações de bairros ou de forma independente e não possuíam, na maioria das vezes, as condições financeiras para alugar locais para os ensaios e para a produção e a apresentação de seus espetáculos.
É neste contexto que o Curso de Teatro é implementado na UFPel, no ano de 2008, através do programa REUNI, a fim de suprir a lacuna existente na região sul do RS, onde não havia nenhum curso na área de artes cênicas. Também foi criado para suprir a necessidade de professores de teatro para atuarem no ensino fundamental e médio. O Curso forma um docente em teatro, um profissional que tem domínio da linguagem teatral e de seus elementos, estando capacitado a trabalhar no ensino de teatro, tanto na educação formal quanto não formal. O licenciado em teatro pode atuar na educação, na pesquisa e na produção artística. Pode trabalhar em escolas da rede pública e privada; junto aos espaços de ensino informal de teatro, assessorando comunidades, ONGs, grupos amadores; em órgãos públicos e em ONGs que tenham como objetivo o fomento às artes e ao patrimônio cultural material e imaterial e ao desenvolvimento de políticas para área cultural. Pode desenvolver trabalho artístico solo ou junto a companhias e grupos teatrais, além de criar novas oportunidades de trabalho no campo das artes cênicas.

Objetivos

Geral:
- Formar profissional licenciado em Teatro com amplo conhecimento sobre a linguagem teatral para atuar em espaços formais e não-formais de educação.

Específicos:
- Possibilitar a formação de um profissional prático-reflexivo nos campos teatral e pedagógico, capacitado para enfrentar os desafios da sociedade contemporânea nas atividades de ensino-aprendizagem, artísticas e culturais.
- Capacitar este profissional a interagir com a sua comunidade local com vistas à transformação e à qualidade de vida, tendo como panorama os princípios que regem a universidade: a ética, a igualdade, o respeito e a democracia, conforme projeto pedagógico da UFPel.
- Formar professor habilitado a trabalhar colaborativamente na criação de ações transformadoras no desenvolvimento do ensino, da pesquisa e da extensão, conforme projeto pedagógico da UFPel.
- Promover a pesquisa e a extensão por meio do estímulo ao intercâmbio e à mobilidade acadêmica com outras Universidades do Brasil, instituições pertencentes ao MERCOSUL e do exterior.

Perfil do Egresso

Respeitando as exigências legais previstas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9.394/96, bem como às Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores (Resolução n.º 2/2015) e a Política Institucional da UFPel (Resolução COCEPE n. 25/2017) de formação inicial e continuada de professores, o egresso do Curso de Teatro- Licenciatura deverá:
I. ter competência específica para o exercício do magistério, como educador da área de Arte, atuando em diversos níveis da educação básica (na forma do Art. 21 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9394/96) e em diferentes contextos educativos, incluindo espaços não-formais de educação (conforme Resolução CNE/CES nº 4 de 8 de março de 2004);
II. ser um apreciador de teatro, capaz de fruição estética, com uma formação cultural e humanística em relação a todas as formas e manifestações artísticas;
III. compreender o teatro como forma de conhecimento;
IV. refletir e debater acerca dos acontecimentos cênicos nos âmbitos profissional, amador, comercial, experimental, entre outros;
V. desenvolver a capacidade de analisar criticamente as produções teatrais de sua época e suas reverberações no campo das artes;
VI. defender o espaço do teatro nas escolas, através de atuação competente e transformadora, implementando o processo de democratização do acesso ao conhecimento das manifestações artísticas;
VII. ter consciência da importância do seu papel como educador, e estar preparado para permitir que seus alunos desenvolvam o potencial crítico e criativo;
VIII. utilizar diferentes recursos didáticos no cumprimento de sua tarefa de educador;
IX. lidar com o uso de recursos ligados ao avanço tecnológico;
X. propiciar o desenvolvimento das capacidades expressivas, criativas e comunicativas do aluno, a partir do contexto social, econômico e cultural;
XI. propor atividades lúdicas, dramáticas, cênicas e teatrais a partir de diversos processos criativos, respeitando o desenvolvimento corporal, psicomotor e afetivo dos seus alunos;
XII. desenvolver atividades integradoras com outras áreas do conhecimento humano, por meio da interdisciplinaridade e da transdisciplinaridade;
XIII. compreender e demostrar consciência da diversidade, respeitando as diferenças de natureza ambiental-ecológica, étnico-racial, de gêneros, de faixas geracionais, de classes sociais, religiosas, de necessidades especiais, de diversidade sexual, entre outras;
XIV. atuar na gestão e organização das Instituições da educação básica (conforme Resolução n. 02/2015).

Competências e habilidades

- Quanto à competência profissional:
I. atuar com ética e compromisso na educação básica, formada pela educação infantil, ensino fundamental e ensino médio (conforme Art. 21 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9394/96) e em diferentes contextos educativos, incluindo espaços não-formais de educação (conforme Resolução CNE/CES nº 4 de 8 de março de 2004);
II. incentivar teorias e práticas pedagógicas que visem a ampla formação do ser humano em suas dimensões racional, sensível, relacional e criativa;
III. compreender o teatro como área específica do conhecimento humano e como elemento imprescindível para uma formação integral;
IV. conduzir atividades, em sua área específica de docência, que estimulem a construção do conhecimento em artes (nos âmbitos da recepção, da experimentação e da contextualização da linguagem teatral) através do desenvolvimento da sensibilidade, da imaginação e da capacidade criativa;
V. atuar na gestão e organização escolar, bem como colaborar no planejamento, execução, avaliação das políticas, projetos e programas educacionais;
VI. atuar como agente cultural e incentivador de atividades artísticas no meio sócio-político-educacional em que estejam inseridos;
VII. reconhecer e utilizar diferentes abordagens metodológicas ligadas ao ensino das artes, compreendendo a complexidade dos fenômenos artísticos;
VIII. contatar com as produções cênicas históricas e atuais, considerando-as patrimônio cultural e simbólico a ser identificado, estudado e reconhecido;

- Quanto à capacidade de argumentação:
I. expressar-se verbalmente e por escrito com clareza;
II. desenvolver argumentos lógicos e coerentes sobre a importância do teatro e seu ensino.

- Quanto ao mercado de trabalho:
I. atuar junto às escolas da rede pública e privada, de forma a ampliar a compreensão dos fenômenos cênicos em vários níveis;
II. atuar junto aos espaços de educação não-formal de teatro, assessorando comunidades, ONGs, grupos amadores, entre outros;
III. atuar em órgãos públicos e em ONGs que tenham como objetivo o fomento às artes e ao patrimônio cultural material e imaterial e o desenvolvimento de políticas para área cultural;
IV. desenvolver trabalho artístico e criar novas oportunidades de trabalho no campo das artes cênicas para si próprio e para os outros.

Organização Curricular

O currículo do Curso considera as dimensões políticas, técnicas, éticas e estéticas, seja no tratamento dos conhecimentos abordados ou nas práticas pedagógicas realizadas, “por meio de sólida formação, envolvendo o domínio e manejo de conteúdos e metodologias, diversas linguagens, tecnologias e inovações, contribuindo para ampliar a visão e a atuação do profissional”4 . Além disso, prevê conteúdos ou ações envolvendo direitos humanos, diversidade étnico-racial, história e cultura afro-brasileira e africana, diferença e igualdade sexual, religiosa, de gênero e de faixa geracional, língua brasileira de sinais (Libras), direitos educacionais de adolescentes e jovens, formação em educação ambiental, e implementação e consolidação de práticas para a educação inclusiva.
As abordagens e relações com e entre as diversas e diferentes áreas do conhecimento e âmbitos humanos, se dão através dos projetos de extensão, pesquisa e ensino, mas, especialmente, através das disciplinas obrigatórias e optativas, bem como da relação interdisciplinar com outros cursos da Universidade.
Assim, a dimensão histórico-social da educação, as políticas públicas, a organização do trabalho pedagógico na escola, a gestão educacional, a educação inclusiva e os direitos educacionais de adolescentes e jovens, se desenvolvem, maiormente, nas disciplinas oferecidas pela Faculdade de Educação:
1. Fundamentos sócio-histórico-filosóficos da educação
2. Fundamentos psicológicos da educação
3. Educação brasileira: organização e políticas públicas
4. Educação inclusiva: pedagogia da diferença
5. Profissão docente
E também nos componentes curriculares oferecidos pelo curso: 
6. Estágio curricular supervisionado I (de observação e diagnóstico)
7. Estágio curricular supervisionado II (na educação infantil e no ensino fundamental)
8. Estágio curricular supervisionado III (no ensino médio)
De modo semelhante, o Curso de Teatro-Licenciatura entende a importância dos temas dos direitos humanos, da diversidade étnico-racial, história e cultura afro-brasileira e africana, diferença e igualdade de gênero, sexual, religiosa e de faixa geracional, direitos educacionais de adolescentes e jovens, formação em educação ambiental, implementação e consolidação de práticas para a educação inclusiva.
A educação ambiental, os direitos humanos, diferença e igualdade de gênero, sexual, religiosa e de faixa geracional, direitos educacionais de adolescentes e jovens, são tratados nas seguintes disciplinas obrigatórias:
1. Fundamentos da linguagem teatral
2. Educação inclusiva: pedagogia da diferença
3. Libras I
4. Pedagogia do Teatro III
5. Pedagogia do Teatro IV
6. Histórias do Teatro III
7. Expressão Corporal II
8. Corpo, espaço e visualidades
Por outro lado, atendem às Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena (Lei n° 11.645 de 10/03/2008; Resolução CNE/CP N° 01 de 17 de junho de 2004), as seguintes disciplinas obrigatórias:
1. Histórias do teatro brasileiro I
2. Histórias do teatro brasileiro II
3. Pedagogia do teatro III 
4. Laboratório de brincadeiras e jogos cênicos
5. Arte e cultura afro-brasileira
Além disso, algumas disciplinas optativas tangenciam essas questões:
1. Abordagens corporais em educação
2. Corpo e arte na escola
3. Psicologia das emergências e crises em ambientes educativos
4. Teatro do oprimido e educação popular
5. Temas transversais: como combater o racismo, o machismo, o sexismo, a lgbtfobia e outras violências no espaço escolar?
O colegiado mantém igualmente relações com a Coordenação de Inclusão e Diversidade através de seus três núcleos:
NUGEN – Núcleo de Gênero e Diversidade
NAI – Núcleo de Acessibilidade e Inclusão
NUAAD – Núcleo de Ações Afirmativas e Diversidade
A articulação com outros cursos de Licenciatura, Bacharelado e Tecnológicos se dá, especialmente, através do estímulo aos estudantes à ampliação de experiências de produção de conhecimento e habilidades. Nesse sentido, o leque de disciplinas optativas a serem buscadas em outros cursos, bem como, a participação em diferentes projetos de pesquisa, extensão e ensino faz parte das políticas pedagógicas do colegiado. O Centro de Artes, por exemplo, vem desenvolvendo projeto político pedagógico interdisciplinar possibilitando que alunos dos diferentes cursos possam trocar experiências. Como parte deste processo em andamento e em ampliação, as disciplinas de Expressão Corporal I, Corpo, espaço e visualidades e Arte e Cultura Afro-Brasileira já compõe o quadro interdisciplinar e são comuns a diferentes cursos do Centro de Artes. Em relação a Faculdade de Educação, compõem o currículo do curso cinco disciplinas obrigatórias (Fundamentos sócio-histórico-filosóficos da educação, Fundamentos psicológicos da educação, Educação Brasileira: organização e políticas públicas, Educação inclusiva: pedagogia da diferença, Profissão docente) e, junto ao Centro de Letras e Comunicação, as disciplinas de Libras I e Técnicas de Leitura e Produção de textos.
Por outro lado, os estudantes são estimulados a participarem de Fóruns, Seminários e Congressos nacionais e internacionais, especialmente, de caráter interdisciplinar e pedagógico.
A interdisciplinaridade é garantida ainda através da abordagem de conceitos teóricos e técnicas do fazer teatral que são estudadas, praticadas e retomadas em várias disciplinas. Conceitos e práticas desenvolvidos em disciplinas como Práticas de Atuação I e II são retomados nas disciplinas de Pedagogia Teatral e replicados nos Estágios. As técnicas corporais, presentes nas disciplinas de Expressão Corporal I e II e Expressão Vocal I e II são utilizadas nas disciplinas de Práticas de Atuação III e IV, cujos conteúdos são retrabalhados nas disciplinas de Montagem e Encenação Teatral e nos próprios Estágios; também os conceitos de direção teatral, estudados nas disciplinas de Encenação Teatral, são aplicados nas práticas desenvolvidas pelos alunos nas regências dos Estágios.
Igualmente, o Colegiado vem apoiando a modalidade acadêmica dos estudantes, flexibilizando as equivalências e respeitando as diferenças curriculares entre os diferentes cursos de teatro do país e de fora dele.
As componentes curriculares do Curso de Teatro-Licenciatura, estão distribuídas em: a) Formação Específica; b) Formação Complementar.
Compõem a Formação Específica:
I - Estudos de formação geral, das áreas específicas e interdisciplinares, e do campo educacional, seus fundamentos e metodologias, e das diversas realidades educacionais;
II - Estudos de aprofundamento e diversificação das áreas de atuação profissional, incluindo os conteúdos específicos e pedagógicos;
III - Prática como componente curricular;
IV - Estágio supervisionado;
V - Disciplinas optativas.
A Formação Específica, com componentes curriculares obrigatórios e opcionais, contempla a organização curricular de estudos de formação geral e de estudos de aprofundamento e diversificação das áreas de atuação profissional.
A Formação Complementar, em que o discente deve comprovar 210 horas de atividades, abrange seminários e estudos curriculares, em projetos de iniciação científica, iniciação à docência, residência docente, monitoria e extensão, entre outros. Inclui ainda atividades práticas articuladas entre os sistemas de ensino e as instituições educativas de modo a propiciar vivências nas diferentes áreas do campo educacional, assegurando o aprofundamento e a diversificação de estudos, experiências e utilização de recursos pedagógicos, mobilidade estudantil e intercâmbios.

Procedimentos e metodologias de ensino

O projeto prevê, neste momento, uma revisão e reorganização das questões relativas à concepção e execução do ensino, ou seja, da prática pedagógica em sala de aula na formação do professor.
Para evitar a fragmentação do ensino dos conteúdos acadêmicos em metodologias específicas, propõe-se uma metodologia integrada e uma concepção de prática pedagógica na perspectiva da construção do conhecimento.
A metodologia integrada nasce da interdisciplinaridade, uma conjunção de diferentes disciplinas curriculares que pressupõe uma reconfiguração da concepção do saber e uma reformulação na estrutura pedagógica do ensino.
A interdisciplinaridade é aqui entendida como uma prática de negociação entre pontos de vista, projetos e interesses diferentes. O trabalho interdisciplinar supõe uma interação das disciplinas, uma interpretação, indo desde a simples comunicação de ideias até a integração mútua dos conceitos, da epistemologia e da metodologia. A interdisciplinaridade se impõe como um princípio de organização do conhecimento. Ela permite a abertura de um novo nível de comunicação, concretizado através da articulação dos saberes, que podem ser assim entendidos:
 Conhecimento sistematizado: aquelas formulações consideradas válidas pela epistemologia, com base no método científico, que formam um corpo de conceitos organizados, teorias bem definidas e, ainda, aqueles organizados por diferentes disciplinas no campo das artes, das humanidades, entre outros.
 Saber cultural: formas de conhecimento, como os chamados cotidiano, leigo, tradicional ou empírico, em uma dada cultura que apresentam níveis variados de elaboração, provenientes da mídia, da política, de regionalismos e de outros lugares.
Numa proposta interdisciplinar é fundamental pensar na articulação de diferentes áreas do conhecimento, prestando atenção na teorização sobre os conceitos multi, inter e transdisciplinaridade: na perspectiva multidisciplinar, as disciplinas são agrupadas sem qualquer articulação entre si; na pluridisciplinar elas se articulam horizontalmente, com alguma troca, mas sem nenhuma integração. Tal integração só poderá ser alcançada através da interdisciplinaridade, de modo a estabelecer um novo tipo de saber que compreende os saberes das disciplinas comprometidas e entrelaçadas umas às outras e que comungam o mesmo mundo vivo. Na perspectiva transdisciplinar, uma última etapa, todas as disciplinas se fundirão sem qualquer supremacia de uma sobre a outra.
A primeira proposta, então, para evitar a fragmentação do conhecimento é pensar numa metodologia integrada onde a ação interdisciplinar pressupõe a articulação dos saberes. Já a outra proposta diz respeito à produção do ensino que se concretiza na prática pedagógica em sala de aula.
A prática pedagógica pressupõe uma concepção de conhecimento que orienta uma relação dialética entre teoria e prática, uma unidade entre sujeito e objeto do conhecimento e um lugar de construção do saber e do fazer teatral.
A arte é uma realidade cambiante e dinâmica e sua epistemologia, num espaço multicultural, é diversa, complexa, abrangente, heterogênea, repleta de conceitos sons e imagens que se estendem além de seus significados. São construções e, simultaneamente, desconstruções para outras construções incessantes. A arte está sempre em processo de vir-a-ser, havendo uma desestabilidade e uma abertura para pluralidades.
É a partir dessa concepção de arte que o ensino de teatro deve garantir o conhecimento e a vivência do teatro como construção, processo e representação do mundo, como expressão e como cultura.
Este projeto propõe uma prática pedagógica reflexiva que:
Enfoca o conhecimento da arte nos diferentes contextos históricoculturais como processo em transformação;
Privilegia a capacidade cognitiva para a construção do conhecimento;
Estimula a produção artística pela utilização dos conteúdos do teatro e de técnicas adequadas a eles, enfatizando o saber e o fazer teatral;
Trabalha com o imprevisível, havendo a preocupação em criar e construir uma nova realidade humana e social;
Propõe uma atividade criadora, vincula o saber e o fazer teatral, unicidade entre teoria e prática;
Estimula o aluno à descoberta de um mundo de imagens e sons e à construção de uma relação dialógica com seu próprio conhecimento;
Coloca o professor como mediador do conhecimento na condição de professor-encenador, como agente de construção do saber e do fazer teatral;
Estimula uma ação recíproca do professor com o aluno e com a realidade circundante;
Avalia o aluno pela produção do ponto de vista teórico-prático, como processo e como produto.
Se o professor procurar, em sua prática pedagógica, estabelecer uma ação recíproca com os alunos e com a realidade circundante, propondo uma atividade criativa e reflexiva, então ele vinculará a teoria à prática tanto no saber e no fazer artístico, como no saber e no fazer pedagógico.
Se o aluno, numa prática dessa natureza, for levado a usar sua experiência cognitiva, não apenas no nível de aquisição de informações e de destreza, de habilidades ou técnicas então ele utilizará suas capacidades e suas habilidades cognitivas na apreensão da realidade, não para reproduzi-la pura e simplesmente, mas sim para compreendê-la, recriá-la e apropriar-se dela para a construção de um conhecimento novo, de seu próprio conhecimento.
Cabe aqui destacar que os sistemas educacionais encontram-se hoje submetidos a novas restrições no que diz respeito à quantidade, diversidade e velocidade na evolução dos saberes oriundos das tecnologias da informação e da comunicação. Isto aponta para uma reflexão fundada em uma análise da mutação das relações com o saber, que deve considerar:
A velocidade de surgimento e de renovação dos saberes;
A ampliação, exteriorização e modificação das funções cognitivas humanas produzidas pelas novas tecnologias da inteligência;
O ensino de como aprender, transmitir saberes e produzir conhecimento;
O aprendizado por meio do conhecimento por simulação, típico da cultura da informática.
Esta proposta é também facilitadora da auto-organização dos alunos tanto em nível da sala de aula, como em nível da instituição. A autoorganização dos alunos aliada à interdisciplinaridade metodológica através de uma prática pedagógica reflexiva, ampliam o trabalho coletivo entre professores, entre professores e alunos e entre estes e o servidor técnicoadministrativo, na construção de um ambiente coletivo propício ao efetivo desenvolvimento do Projeto Pedagógico do Curso de Teatro-Licenciatura.

Avaliação do ensino e da aprendizagem

A avaliação possui duas dimensões: a do próprio projeto pedagógico (e, consequentemente, da estrutura do Curso) e a do processo de ensino e aprendizagem. Nessa perspectiva, a avaliação é parte integrante do processo de formação dos alunos e de institucionalização de um curso, uma vez que possibilita diagnosticar questões relevantes, aferir os resultados alcançados, considerar os objetivos propostos e identificar mudanças de percurso, quando necessárias.
Considerando que o processo de formação do professor de teatro deve garantir o desenvolvimento de competências e habilidades profissionais éticas, estéticas e metodológicas, e que isso não depende somente das aulas, mas sim de uma articulação entre disciplinas ministradas, relações em sala de aula, estrutura organizacional e projeto pedagógico, a avaliação destina-se à análise da aprendizagem dos futuros licenciados em teatro, favorecendo seu percurso e regulamentando as ações de sua formação. Por outro lado, também está voltada para o constante processo de (re)estruturação do projeto pedagógico e do ambiente de ensino.
Objetivamente, apontamos que os processos de avaliação desenvolvidos junto ao Curso de Teatro-Licenciatura estão voltados para o ensino e a aprendizagem, para o ambiente de ensino e para o próprio projeto pedagógico do Curso.
Estas instâncias a serem avaliadas não estão dissociadas e, ao contrário, vêm potencializar uma formação que articula ensino, pesquisa e extensão, aquilo que é o objetivo principal de toda estrutura de ensino superior no Brasil.
O processo de formação deve garantir o desenvolvimento de competências profissionais e, nesse sentido, a avaliação destina-se à análise da aprendizagem dos futuros professores, favorecendo seu percurso e regulando as ações de sua formação. Não se trata de punir aos que não alcançam as metas, mas de um instrumento de apoio a cada professor para melhor identificar as necessidades de formação e empreender o esforço necessário para investir no próprio desenvolvimento profissional.
Dessa forma, os critérios utilizados na análise dos resultados e dos instrumentos de avaliação e de autoavaliação são fundamentais, uma vez que favorecem a consciência do professor sobre seu processo de aprendizagem. Isso possibilita ao futuro professor conhecer e reconhecer seus próprios limites, potencialidades e métodos utilizados para aprender, refletir e desenvolver a capacidade de autorregular a própria aprendizagem.
O domínio sobre os processos de apropriação do conhecimento de cada um permite, quando partilhado no âmbito do trabalho coletivo, que todo o grupo dos professores em formação possa ser beneficiado, ampliando suas possibilidades de aprendizagem por meio do intercâmbio entre diferentes formas de aprender.
Como a atuação do professor é de natureza complexa, avaliar as competências profissionais no processo de formação é, da mesma forma, uma tarefa complexa. As competências para o trabalho coletivo têm importância igual a das competências mais propriamente individuais, uma vez que é um princípio educativo dos mais relevantes e, portanto, a avaliação da aprendizagem é fundamental.
É importante que o aluno seja avaliado em todas as disciplinas, durante o Curso, quanto a sua capacidade de argumentação, por meio de:
a) expressão verbal e escrita clara;
b) desenvolvimento de argumentos lógicos e coerentes sobre a importância do teatro e seu ensino.
Embora seja mais difícil avaliar competências profissionais do que a assimilação de conteúdos convencionais há muitos instrumentos para isso. Seguem, então, algumas possibilidades:
 Identificação e análise de situações educativas complexas e/ou problemas em uma dada realidade;
Elaboração de projetos para resolver problemas identificados num contexto observado; 
Elaboração de uma rotina de trabalho semanal a partir de indicadores oferecidos pelo formador;
Definição de intervenções adequadas, alternativas as que forem consideradas inadequadas;
Planejamento de situações didáticas consoantes com um modelo teórico estudado;
Reflexão escrita sobre aspectos estudados, discutidos e/ou observados em situações de estágio;
Participação em atividades de simulação;
Estabelecimento de prioridades de investimento em relação à própria formação.
Em qualquer um desses casos, o que se deve avaliar não é a quantidade de conhecimento adquirido, mas a capacidade de acioná-los e de buscar outros para realizar o que é proposto. Portanto, os instrumentos de avaliação só cumprem com sua finalidade se puderem diagnosticar o uso funcional e contextualizado dos conhecimentos.
A avaliação dos alunos será feita de acordo com o regimento e determinações da Universidade Federal de Pelotas, quanto a número de presenças em sala de aula, faltas, notas mínimas, número de avaliações, dentre outros critérios.
No entanto, deve-se ressaltar que a avaliação já se inicia no processo de estudo e formação, pois o acompanhamento dos alunos deverá ser constante e resultar na constatação de dúvidas e conhecimentos que se desenvolvem ou se apresentam em sala de aula.
A avaliação nas disciplinas teóricas através de provas, exercícios (práticos e teóricos), além de projetos e outras maneiras de aferir a produção de conhecimentos pelos alunos, será realizada com a atribuição de nota constituída em grau numérico, variando entre o mínimo de 0 (zero pontos) e o máximo de 10 (dez pontos). O aluno atingirá média satisfatória para cada disciplina teórica, prática e teórico-prática, quando obtiver média semestral igual ou superior a 7 (sete pontos). O aluno sofrerá reprovação, sem a possibilidade de realizar exame final, caso o valor da média semestral seja inferior a 3 (três pontos). Todos os alunos que obtiverem média semestral entre 3 (três) e 6,9 (seis números inteiros e nove décimos) terão direito a realização de um exame final. A média final que resultará da prova de exame final, será o resultado da média entre a nota total do semestre e a da prova final, quando ambas, somadas e divididas pelo número 2 (dois), deverão resultar em uma nota com no mínimo 5 (cinco) ou mais pontos, para aprovação do aluno. O aluno que obtiver média final de 4,9 (quatro pontos e nove décimos), ou menor, será reprovado.
Como a atuação do Licenciado em Teatro envolve a capacidade de trabalho em grupo e desenvolvimento individual, avaliar as competências profissionais no processo de formação é da mesma forma, uma tarefa que deve contemplar estas características.
Sejam quais forem os métodos utilizados nos processos de avaliação dos alunos, eles deverão obedecer aos parâmetros de pontuação solicitados pela Universidade Federal de Pelotas.
Quanto à frequência, independentemente dos demais resultados obtidos, é considerado reprovado na disciplina o aluno que não obtenha frequência de, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades programadas no Plano de Ensino de cada disciplina.
Os métodos de avaliação de um curso, não podem estar voltados somente para o desempenho que o aluno venha a obter em avaliações específicas de cada disciplina, estágio ou TCC. Todo o contexto que cerca o aluno, e que de alguma forma se relaciona com o processo de ensino, também deve ser avaliado. Nesse sentido, o presente projeto pedagógico contempla outra dimensão do processo avaliativo. Como mencionado, além da avaliação do desempenho dos alunos, o sistema avaliativo está voltado também para os processos de ensino, do corpo docente e da estrutura organizacional do curso, além do próprio projeto pedagógico. Nesse sentido, o texto se encaminha para outros aspectos do sistema de avaliação, uma segunda dimensão avaliativa.

Integração com a Pesquisa e a Pós-Graduação

A universidade como centro gerador, produtor e divulgador da cultura local e regional é também responsável por um processo educativo cultural e científico que articula o ensino, a pesquisa e a extensão de forma indissociável, viabilizando uma relação transformadora entre a universidade e a sociedade.
O curso conta com projetos unificados que atendem os objetivos estratégicos do PDI da UFPel:

1. Ampliar a divulgação e comunicação interna e externa dando transparência a suas ações.
2. Desenvolver ações de forma articulada com a rede de educação básica visando qualificação e desenvolvimento mútuos.
3. Incrementar e institucionalizar políticas de integração e intercâmbio com outras universidades e organizações.
4. Apoiar iniciativas de inovação tecnológica e de desenvolvimento regional.
5. Consolidar as políticas de internacionalização na UFPel.
6. Valorizar a produção e difusão cultural e artística.
7. Produzir e disseminar conhecimentos culturais, científicos e tecnológicos.
8. Assegurar o equilíbrio entre as ações do ensino, da pesquisa e da extensão.
9. Intensificar as relações entre UFPel e sociedade.
10. Buscar a qualidade e eficiência administrativa.
11. Qualificar a graduação e a pós-graduação.
12. Fortalecer as políticas de acesso, inclusão e permanência dos estudantes, com aproveitamento.
13. Desenvolver pedagogia universitária.
14. Desenvolver ações continuadas de qualificação dos servidores.
15. Qualificar as condições de trabalho e estudo.
16. Expandir a pós-graduação.
17. Conceber e implantar um processo de planejamento espacial para a UFPel.
18. Atuar e comprometer-se com a formação da consciência socioambiental para a sustentabilidade.
19. Difundir, em todas as ações da Universidade, os princípios contidos no Projeto Pedagógico Institucional.
20. Contribuir com o desenvolvimento socioeconômico e socioambiental da região, atendendo princípios e objetivos do PDI/UFPel.
As ações propostas e desenvolvidas pelo Curso de Teatro caracterizam-se pela interlocução e participação ativa da comunidade através de sua rede de ensino (municipal, estadual e privada); das
associações e ONGs; da Secretaria Municipal de Cultura (Secult); do SESCP elotas, entre outros. De modo similar, as ações estão integradas ao conjunto de projetos e programas desenvolvidos pelo Centro de Artes e pela UFPel a partir das Pró-Reitorias de Ensino, Pesquisa e Extensão.

A integração entre a graduação e a pós-graduação, de acordo com as DCNFP (BRASIL, 2015), pode ser tomada como mais um princípio pedagógico necessário ao exercício e ao aprimoramento do profissional do magistério e da prática educativa, sendo uma forma de valorizar os profissionais da docência, nos planos de carreira e na remuneração dos respectivos sistemas de ensino. Nesse sentido, o Centro de Artes se propõe, futuramente, a ampliar a pós-graduação em artes visuais para pós-graduação em artes, abrindo linhas de pesquisa para outros campos das artes.
Entretanto, em relação à pós-graduação do Centro de Artes, o Colegiado tem estimulado os egressos da graduação a se integrarem à especialização e ao mestrado. Por outro lado, docentes do curso já vêm atuando na condição de orientadores do pós e como professores da especialização.

Acompanhamento de Egressos

A lei que instituiu o “Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior” (SINAES), Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004 (Brasil, 2004b), tem como objetivo principal assegurar o processo nacional de avaliação da educação superior. O SINAES é coordenado pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES) e executado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Dentre as dez dimensões avaliativas que o SINAES contempla, encontra-se uma dimensão que diz respeito justamente a políticas de atendimento aos estudantes, devendo ser considerada a inserção profissional dos egressos e a participação dos egressos na vida da instituição, portanto, indica que se tenha uma política de acompanhamento do egresso e programas de educação continuada voltados para o egresso (BRASIL, 2006). A experiência profissional de um egresso da graduação confronta as competências adquiridas durante sua vida acadêmica com o exercício de sua profissão. A avaliação do egresso é uma importante contribuição para o curso em que se graduou.
Atentos a esta necessidade, tem-se, atualmente, no âmbito do Curso, o projeto de pesquisa: “Acompanhamento de egressos do Curso de TeatroLicenciatura da UFPel e sua inserção profissional docente”, coordenado pela professora Vanessa Caldeira Leite, vinculada ao Grupo de Estudos Teatro, Educação e Práxis Social (GETEPS). O projeto de pesquisa vem mapeando os egressos das seis primeiras turmas do Curso, formados nos anos de 2011 a 2016 e acompanhando aqueles que estão inseridos diretamente no ensino de Teatro, em espaços formais e não-formais de educação.
Os objetivos principais deste acompanhamento de egressos são:
- Compreender o contexto de trabalho dos egressos do Curso de TeatroLicenciatura da UFPel e as especificidades da área de teatro dentro deste espaço de atuação;
- Analisar as experiências profissionais, as escolhas teóricometodológicas e os saberes que têm fundamentado as práticas docentes; 
- Analisar pontos de convergência e divergências no processo de ensino e de aprendizagem em teatro, tanto em espaços formais e não-formais de educação;
- Promover um canal de comunicação entre os egressos e fomentar o processo de formação continuada dos egressos.
Os resultados desta pesquisa ajudaram a avançar na qualificação curricular do próprio curso, destacando potencialidades, fragilidades e apontando possíveis encaminhamentos formativos, colaborando para a escrita deste projeto pedagógico. A intenção é a de manter este acompanhamento de forma sistemática, seja através de projeto de pesquisa ou não, para manter o curso atualizado em relação aos seus egressos e para compreender as possíveis lacunas no currículo da formação inicial em relação às demandas profissionais e sociais.

Matriz Curricular

1º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05000287EXPRESSÃO CORPORAL IObrigatória460
05001079FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM TEATRALObrigatória460
17360022FUND. SÓCIO-HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃOObrigatória460
05000963PEDAGOGIA DO TEATRO IObrigatória460
05001080PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IObrigatória460

2º Semestre

3º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
17350028EDUCAÇÃO BRASILEIRA:ORGANIZ. E POLÍT.PÚBLICASObrigatória460
05000776ESTUDOS EM DRAMATURGIAObrigatória460
05000289EXPRESSÃO VOCAL IObrigatória460
05001086HISTÓRIAS DO TEATRO II Obrigatória460
05000973PEDAGOGIA DO TEATRO IIIObrigatória460
05001087PRÁTICAS DE ATUAÇÃO III05001085 - PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IIObrigatória4

4º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
17360009EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PEDAGOGIA DA DIFERENÇAObrigatória460
05000277EXPRESSÃO VOCAL IIObrigatória460
05001088HISTÓRIAS DO TEATRO IIIObrigatória460
20000084LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS I ( LIBRAS I )Obrigatória460
05000975PEDAGOGIA DO TEATRO IVObrigatória460
05001089PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IV05001085 - PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IIObrigatória460

5º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05000762ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRAObrigatória230
05000972ESTÉTICA TEATRAL Obrigatória460
05001091EXTENSÃO, TEATRO E COMUNIDADE05000963 - PEDAGOGIA DO TEATRO I05000964 - PEDAGOGIA DO TEATRO II05000973 - PEDAGOGIA DO TEATRO III05000975 - PEDAGOGIA DO TEATRO IVObrigatória690
05001090HISTÓRIAS DO TEATRO BRASILEIRO IObrigatória460
05000994LABORATÓRIO DE BRINCADEIRAS E JOGOS CÊNICOSObrigatória460
05001092MONTAGEM TEATRAL I 05001087 - PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IIIObrigatória8120

6º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05001094ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I05000963 - PEDAGOGIA DO TEATRO I05000964 - PEDAGOGIA DO TEATRO II05000973 - PEDAGOGIA DO TEATRO III05000975 - PEDAGOGIA DO TEATRO IVObrigatória9135
05001093HISTÓRIAS DO TEATRO BRASILEIRO IIObrigatória460
05000967METODOLOGIA E PRÁTICA DA PESQUISA20000216 - TÉCNICAS DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOSObrigatória460
05001095MONTAGEM TEATRAL II05001092 - MONTAGEM TEATRAL I Obrigatória8120
17350027PROFISSÃO DOCENTEObrigatória460

7º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05000906CORPO, ESPAÇO E VISUALIDADEObrigatória460
05001096ENCENAÇÃO TEATRAL I05001095 - MONTAGEM TEATRAL II05001094 - ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO IObrigatória8120
05001097ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II05001094 - ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO IObrigatória9
05001099LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA05000776 - ESTUDOS EM DRAMATURGIAObrigatória460

8º Semestre

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05001100ENCENAÇÃO TEATRAL II05001096 - ENCENAÇÃO TEATRAL IObrigatória8120
05001101ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO III05001094 - ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO IObrigatória9135
05001102PROJETO EM TEATRO 05001098 - SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TEATRO Obrigatória4

Complementares

CódigoDisciplina / Pré-requisitosCaráterCr.Horas
05001110ATIVIDADES COMPLEMENTARESAtividade complementar14210

Turmas ofertadas em 2020 / 2

1º Semestre

Disciplina / Professores / HoráriosTurmaVagasMatric.
05001079 - FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM TEATRALProfessor responsável pela turma: ALINE CASTAMAN
Horários
ManhãTardeNoite
TER10:00 - 10:50
10:50 - 11:40
T12516
05001080 - PRÁTICAS DE ATUAÇÃO IProfessor responsável pela turma: MOIRA BEATRIZ ALBORNOZ STEIN
Horários
ManhãTardeNoite
QUI10:00 - 10:50
10:50 - 11:40
M1159

2º Semestre

Disciplina / Professores / HoráriosTurmaVagasMatric.
05001084 - HISTÓRIAS DO TEATRO IProfessor responsável pela turma: MARINA DE OLIVEIRA
Horários
ManhãTardeNoite
QUA10:00 - 10:50
10:50 - 11:40
T12517

4º Semestre

Disciplina / Professores / HoráriosTurmaVagasMatric.
20000084 - LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS I ( LIBRAS I )Professor responsável pela turma: KARINA AVILA PEREIRA
Horários
ManhãTardeNoite
QUA19:00 - 19:50
19:50 - 20:40
T41033

Optativas

Disciplina / Professores / HoráriosTurmaVagasMatric.
05001104 - ARTE E LOUCURAProfessor responsável pela turma: NARA GRACA SALLES
Professor Regente: NEY ROBERTO VATTIMO BRUCK
Horários
ManhãTardeNoite
QUA15:10 - 16:00
16:00 - 16:50
M1156
05001108 - DRAMATURGIA EM DEBATE IIProfessor responsável pela turma: FERNANDA VIEIRA FERNANDES
Horários
ManhãTardeNoite
QUI14:20 - 15:10
15:10 - 16:00
T12012

Alunos Matriculados

Nome Ano de ingresso Semestre de ingresso
AGATHA FRANCINE NERY PERES20201
ANA LAURA BIANCHINI20201
ANDRESSA CHEVARRIA MARTINS20201
CAIO TAVARES PORCIUNCULA20201
CANDIDA REIS CANIELAS20201
ELIZA MARA LOZANO COSTA20201
GABRIEL MIRANDA DOS SANTOS PEREIRA20201
GUSTAVO DE SOUZA CASTRO20201
HELENA DOS SANTOS MOSCHOUTIS20201
HENRIQUE BOM MEDEIROS20201
LETICIA GOMES E MELO20201
MATHEUS GOULART ALVES20201
NICOLE PIRES GONZALES20201
NOEL FERRARI NORMANHA20201
PETERSON CENTENO FARIAS20201
VITORIA SANDRINI VERGARA20201
WILIAN VEZZARO20201

Alunos Egressos

Nome Ano de ingresso Ano de conclusão

(*) Conceitos de curso:

(**) Vagas e formas de ingresso:

  • A0 - Ampla concorrência;
  • L1 - Candidatos com renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L2 - Candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L5 - Candidatos que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L6 - Candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L9 - Candidatos com deficiência que tenham renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L10 - Candidatos com deficiência autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, que tenham renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012
  • L13 - Candidatos com deficiência que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)
  • L14 - Candidatos com deficiência autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012)

Localização e contatos

Página gerada em 09/05/2021 05:34:44 (consulta levou 0.245577s)